Eu hoje acordei assim


Peço licencinha para meus leitores, mas hoje quero protestar - A água pede passagem!!!
Eu me lembro do tempo em que a maioria das ruas de São Paulo era pavimentada com paralelepípedo.

A rua em que meus avós moravam era uma delas. Claro que havia muitas ruas de terra na São Paulo de então. Asfalto só mesmo nas grandes avenidas e rodovias.

Os políticos do passado e os atuais mandam afastar todas as ruas, pois isso lhes garante votos e dinheiro de propinas (obras) e a própria população se vangloria de morar em uma rua asfaltada.
Para acontecer uma enchente na cidade era preciso muita chuva, mas muita mesmo. Hoje, morrem nela. Tenho visto gente que morre dentro do seu carro, por afogamento.

foto de ontem

A água que desce do céu não é mais absorvida pela terra, pois não existe mais terra, só asfalto, e a continuar assim logo mais também não existirá mais Terra.

E as árvores alguém tem reparado no estado que andam?

Nessa mesma rua caminhando devagar e tentando lembrar como era fico triste em ver uma aqui, outra ali, depenadas (o termo certo é desfolhadas) troncos rachados, descascados e o pior de tudo raízes totalmente fechadas por concreto.

Com a modernidade, tivemos a urbanização nas cidades, e isso não acontece apenas em São Paulo, onde é tudo asfaltado, e as pessoas parecem ter medo ou nojo de terra, seja por causa do pó ou do barro, das formigas, bicho-do-pé, minhocas, vermes, enfim, essas coisas que vivem na terra. Aí decorre o fenômeno da imbecilidade que os jardineiros, planejadores paisagísticos, e até agrônomos urbanos, praticam com desenvoltura e plena ignorância, como podemos ver na foto.

Troncos de árvores com cimento em volta, no máximo uns 20 cm de cada lado do tronco para “poder entrar água”. A árvore que se vire com o tiquinho de água que pode entrar por ali.
Essa desabou na Vila Madalena
A água passa e a árvore deve ficar se perguntando: cadê aquele montão de água que passou por aqui agora mesmo?

Não penetrou na terra, não saciou a sede da árvore e nem formou lençol freático, simplesmente se foi. Com muita pressa...
Querem ver mais uma: Em menos de 24 horas os politicos de hoje conseguiram fazer um estrago a s s u s t a d o r e irrepáravel - Tudo isso para, segundo nosso governador aliviar o trânsito (e não solucionar nada)

Carros hoje são tão importantes a ponto de cometerem atrocidades como mostra esse registro abaixo -
ABRAM O LINK É SÓ UM MINUTO
A cidade ainda é o maior pólo industrial e cultural do país, disso não há a menor dúvida, mas ver todos os dias as mesmas imagens está cansando. Talvez fosse interessante não se tapar mais os buracos da cidade e deixar que as águas da chuva formem poços ao invés de poças.
Se gasta muito dinheiro com propaganda política, com licitações ilícitas, com obras faraônicas que vão não se sabe para onde, se é que vão para algum lugar.

Infelizmente não é só em São Paulo que coisas como essas acontecem; Brasil inteiro tem sofrido toda sorte de calamidades, e calamidade já é mais um estado brasileiro que não tem capital e vale aí o duplo sentido da frase.
A nós resta torcer para que as chuvas caiam nas áreas onde estão as represas responsáveis para o abastecimento de água e de energia, e talvez seja importante ir separando um dinheirinho para comprar galochas.

ou quem sabe um bote; que tal esse?

- Abaixo o asfalto! Só deveria ser permitido nas grandes avenidas. Nas ruas intermediárias retomemos o bom e velho paralelepípedo, que permite infiltração da água no subsolo. Em volta das árvores, se necessário também: paralelepípedos, com 2 a 3 metros em volta do tronco.

- Abaixo as caixas de cimento murando! os troncos de árvores nas calçadas, deveria ter no mínimo 1,5 metros de distância e não 20 ou 30 cm. E nesse espaço poderiam ser colocados paralelepípedos, e não cimento.

Eu protesto

27 comentários:

  1. Oi querida, protesto junto com vc... acho um absurdo o que está acontecendo aí em SP, moro em SC e a situação aqui não é das merolhes, mas comparado com o q vcs tem q aguentar quando chove,...
    ADORO O SEU BLOG... beijinhos

    ResponderExcluir
  2. É tudo uma politicagem danada. Já existe asfalto mais poroso e permeável, mas provavelmente deve ser mais caro. Além disso, não podemos esquecer das pessoas que cimentam seus quintais. Isso também contribui para a não absorção das águas.
    Realmente uma calamidade.
    Onde moro, não é assim. As enchentes são decorrentes do lixo que a população local e turista joga por toda cidade.
    Uma vegonha!!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Super válido seu protesto!!! Adorei!!!
    E mesmo não morando em S.P. assino em baixo viu!!!
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Oi Yvone,
    o contraste desses dois últimos posts é gritantee nos bota a pensar mais.
    No penúltimo, vemos toda beleza e exuberância da natureza, enquanto no último vemos a exuberância da ignorância humana.
    Isso foi uma das coisas que chamou muito minha atenção quando mudei pra cá: não existe terra, grama, jardim nem nada parecido aqui em SP (com exceção de pouquíssimos lugares). São casas empilhadas umas nas outras e quem tem um pouco de terreno mete cimento, concreto, lajota... veda qualquer possibilidade de vida a sua volta. Sinceramente não entendo a fobia dos paulistanos com terra e grama em suas casas. Só resta esperar pra ver se essa fobia de verde será superada pela fobia de água (e esgoto) que vem inundando a cidade a cada chuvinha... lamentável.
    Parabéns pelo post. ;)
    BJoooooooooo!

    ResponderExcluir
  5. Yvone, lendo esse post, me vem à mente uma frase do Greenpeace, que dizia: "Quando a última árvore tiver caído,
    Quando o último rio tiver secado,
    Quando o último peixe for pescado,
    Vocês vão entender que o dinheiro não se come."
    .................
    Triste que estejamos repetindo o mesmo erro dos antigos Maias,que dizimavam florestas, para fazer cal para caiarem suas pirâmides, sem que tenhamos aprendido algo com seu grande erro.
    ....................
    A Terra já se esgotou, todos já percebemos isso, mas ninguém quer pagar o preço. Te garanto que a maior parte da população é a favor do paralelpípedo, desde que não arranquem o asfalto da frente de suas casas.
    ......................
    Outra coisa ainda mais letal é o maldito plástico. Afff.
    ......................
    Pobres dos nossos descendentes, que terão que limpar toda a nossa sujeira - isso se tiver planeta, ainda.
    Beijocas amiga!!

    ResponderExcluir
  6. É, tá complicado, né, Santinha ?

    Aqui na minha rua a prefeitura queria asfaltar, mas a gente protestou. Ainda bem que adiantou, viu... Continuamos com o bom e velho paralelepípedo !

    bjobjo

    ResponderExcluir
  7. ADOREI SEU PROTESTO E CONCORDO PLENAMENTE COM ELE,O HOMEM ESTA DESTRUINDO O NOSSO PLANETA ,AGORA PERGUNTO PRA QUE? ME DEUS QUE NOS AJUDE A CONCIENTIZAR TDOS OS SERES HUMANOS DE QUE A SITUAÇAO É DE EMERGENCIA E TDOS DEVEM AJUDAR!!
    PARABENS PELA INICIATIVA.

    ResponderExcluir
  8. Yvone, infelizmente percebo que cada dia, cada ano a situação ficará pior.
    Não há interesse político em resolver a situação e as pessoas continuam construindo em áres de risco.Isto está acontecendo em várias cidades do Brasil.
    Tudo é lamentável e muito triste.
    Beijos.
    Fátima.

    ResponderExcluir
  9. Olá!
    Concordo com você! Não sou de SP mas tenho reparado a mesma coisa, não só sobre o asfalto mas sobre a condição das árvores, que quando não são enforcadas no asfalto são envenenadas ou arrancadas porque soltam muitas folhas no chão... não sei porque as pessoas acham que é mais limpo uma cidade de asfalto cheia de ar poluido do que algumas folhas no chao...
    Não sei o que podemos fazer p/ mudar tudo isso, mas, pelo menos sei que na minha casa vai ter mato e árvore, e que onde eu puder plantar eu plantarei. E acho que se cada um que concordou aqui fizer o mesmo. Um dia a situação muda.
    :)

    ResponderExcluir
  10. Yvone,
    meu filho caiu na quadra da escola e quebrou o pulso em 2 lugares e os 2 ossos do antebraço tendo uma fratura exposta. Fez imediatamente uma cirurgia que durou 6 horas...tudo isso no dia 27/11/09. Foram colocadas 2 placas, 12 parafusos e 3 pinos no antebraço dele.
    Pus um RX lá no blog, passa lá para ver, a postagem foi no dia 07/01/10.
    Agora, graças a Deus, ele está bem e fazendo fisioterapia para recuperar os movimentos da mão e do pulso.
    Tenho certeza que ele ficará bem, com a graça de Deus.
    Obrigada pelo carinho.
    Beijo:)

    ResponderExcluir
  11. menina, perfeito seu post! Realmente a vida nas grandes cidades está cada vez mias difícil e o pior é que a tendência é piorar.

    beijos

    ResponderExcluir
  12. Eu também protesto, não tira parado pra pensar sobre isso, mais pq na minha rua ainda está o velho paralelepipedo e as árvores ainda estão salvas do concreto, pq moro em cidade pequena e que ainda tem ruas sem calçamento e as pessoas reclamam muito disso, querem asfalto em tudo, mas nas cidades grandes principalmente as capitais eu vejo que as árvores pedem um pouco mais de ar e água pq não é só a água que não entra, as folhas estão cheias de poluição e a chuva é boa para limpar e nutrir o verde, só que as pessoas não estão mais interessadas em ver o verde nas cidades, querem mais lojas e mais ar condicionado, não pensam que se tivesse mais verde ficaria bem mais fresquinho e não estariamos preocupados com o aquecimento global, se continuar assim, tudo tende a piorar exemplo disso são os terremotos e desabamentos, e a natureza acha um jeito de derrubar o concreto e voltar a ter vida, mesmo que para isso não exista mais humanos.

    ResponderExcluir
  13. Oie amiga querida! Estou mesmo em falta com você, sorry :)
    Concordo completamente com tudo que disse no post, moro em uma cidade onde tem muito asfalto e muito concreto, mas vejo que aqui ainda se tem a preocupação de preservar as árvores do cerrado.Ainda bem!!!
    Bjo bjo *Ü*

    ResponderExcluir
  14. Tá certíssima ... dá dor de ver o que anda acontecendo.

    Sinceramente ... onde isso vai parar ?

    ResponderExcluir
  15. olá, Santinha,
    e é dessa forma que São Paulo está perdendo a graça.
    sempre morei no ABC, mas, gostava muito de cinema, teatro, restaurantes em SP, mas, há muito tempo que não vou, muito trânsito de segunda a segunda e se não bastasse, as enchentes, o perigo da chuva cair de repente e ficar presa em alguma inundação.
    concordo que seria muito bem vinda a volta dos paralelepípedos (nossa, há qt tempo não escrevo esta palavra), das calçadas gramadas, das floreiras....

    ResponderExcluir
  16. Estou com você, também PROTESTO!
    Minha cidade já está com alguns problemas de alagamentos em épocas de muita chuva.
    Beijos

    ResponderExcluir
  17. Agradeço a todos que comentam por aqui e nesse post através dos coments dá para ver que nínguém aguenta mais tanto descaso com nosso planeta. E ouvir noticia ruim então nem se fale.

    A Lili observou muito bem quando disse que em meu post antes desse "Um dia no mato" mostrei a toda a beleza e exuberância da natureza... Talvez o nome mais apropriado para o post de hj. " Um dia na cidade" (qualquer cidade) onde verdadeiramente vemos a exuberância da ignorância humana.

    Obrigada a todos por deixarem seus comentários solidários com a natureza.
    bjs

    ResponderExcluir
  18. Ivone, lamentavel tudo isso, endosso o que disse a Lili, tbem nunca entendi muito bem porque essa coisa de cimentar qualquer pedacinho de verde,um pecado.
    E a natureza responde, tai o resultado.
    bj

    ResponderExcluir
  19. Olá amiga

    Concordo plenamente com vc, mas penso o o problema das enchentes en S.P.tem outros problemas tem outros problemas também.Retornando do Chile, tive que ir de Guarulhos À Congonhas apanhar o voo para Curitiba e fiquei boquiaberta com o tanto de lixo que vi pelas ruas e dentro do rio também.Fazia +ou- um ano que não ia a S.P. e fiquei impressionada com o grande volume de lixo nas ruas.

    Beijo

    ResponderExcluir
  20. oi yvone! sabe que sempre falo isto - estão impermeabilizando o planeta, ninguém mais quer quintais, plantar arvores como já ouvi de várias pessoas - vou plantar cimento no meu jardim" - isto dói- mas prá elas isto quer dizer menos trabalho -
    etes dias estava vendo as enchentes, os morros caindo...mas tempestade e casas em morro sempre existiram - isto é o sinal - o planeta está pedindo socorro- mas o que eu ouço- ah o culpado é o governo que não toma providências- nós temos que tomar providências - plantar muito e não somente paisagismo para alegrar nossos olhos, mas beleza e arvores, plantar grama ao inves de cimento, não jogar lixo no chão isto vai sendo empurrado para os boeiros que entopem - isto está todo mundo cansado de ouvir mas parece que só ouvem e não fazem sua parte, eu já morei em sampa- e pode ter certeza não é só aí que acontece isto - a modernidade está estragando tudo...ah eu fico chateada com tudo isto - -vejo vizinhos fazendo isto - isto que tem caminhão para reciclagem mas não reciclam - quando vem morar nas casas a primeira coisa é "limpar o quintal" e plantar cimento....é triste e depois colocam a culpa no governo e em Deus...o livre arbitrio - estamos lutando contra nós mesmos!
    bjs

    ResponderExcluir
  21. Amiga,
    compartilho com você os protestos. Sei que temos a nossa parcela de culpa impermeabilizando os nossos quintais, jogando lixo de forma irresponsável e tudo mais. Mas a falta de planejamento em uma cidade do porte de São Paulo só poderia dar em catástrofe. Como arquiteta e planejadora vejo os absurdos que são cometidos. Não são mais as pequenas atitudes que resolverão isso. Falo isso, porque lançaram uma portaria (agora na época de chuvas) que toda nova construção será obrigada a deixar 20% de áreas permeáveis ao invés de 15%, como antigamente. Como se os 5% fossem resolver essa bagunça. Vivemos em uma cidade de canalização de rios, córregos... isso desde o início. Ocupamos a grande várzea desde o início da cidade. É histórico. Depois a impermeabilizamos... se o rio tem uma várzea é justamente para acomodar as suas grandes cheias. Mudamos o curso dos rios, com os grandes projetos das marginais... Bemm, além de outras histórias.
    E agora reclamamos da herança maldita que são casas alagadas, pessoas morrendo nas encostas e horas de trânsito para chegar em casa.
    Amiga, apoiadissima, viu?
    Vou até chamar a atenção no blog para o seu post!
    Beijos
    lelê

    ResponderExcluir
  22. Concordo com você e também protesto!
    Tem gente que pensa que pode alterar o ambiente em que vive sem que isso traga consequências problemáticas, mas logo vem a resposta.

    ResponderExcluir
  23. a foto da arvore espremida pelo concreto me deixa muito triste, toda vez que olho para uma arvore assim me sinto apertado e sufocado...

    acho isso imbecilidade, nao tem necessidade de passar tanto concreto e a arvore depois ira quebrar a calsada pq nao deixar espaço assim ela nao destruira a calsada, e depois ainda falam que arvore nojenta quebrou minha calsada, vai alquem sufocar ele pra ver...

    ResponderExcluir
  24. Oi Santinha, adorei o seu protesto e não pude deixar de apoiá-la, em tudo o que relatou e explicou!!!

    As árvores esmagas e em água nos cortam o coração... A cada tempestade dezenas são levadas com a força do vento, que em condições normal, conseguiriam arrancar no máximo um galho e olhe lá!!!

    Também estou cada dia mais desesperançosa com relação ao ser humano de maneira geral. Todo mundo fala em qualidade de vida e bla bla bla, mas basta conhecer a casa e a opinião da maioria para perceber que elas encaram as florestas como "mato".

    Também peço desculpas pelo desabafo por aqui, pois venho sentindo muita necessidade de falar e encontrar soluções, mas confesso que não sei nem por onde começar. Tento agir como formiguinha mesmo, acreditando que cada saquinho que eu recuso e que cada nova árvore plantada faça a diferença. Mas é difícil né amiga?

    Um grande abraço!!!

    ResponderExcluir
  25. Olá Yvone, não posso deixar de comentar sobre as enchentes...eu sou do século passado, bem lá atrás e me lembro quando ainda menina das enchentes que aconteciam no Cambuci, Ipiranga, Vila Prudente e até mesmo Vila Mariana Ibirapuera, lembrando que àquela época, nem se ouvia falar do El Ninõ e tampouco havia a preocupação com o meio ambiente..Tudo virava mar, minha avó era costureira e morava a duas quadras da Avenida do Estado e sofria muito.o solo não era impermeável..a maioria as ruas eram com paralelepípedos e as margens dos rios, ainda eram arborizadas. Como ela, milhares de pessoas perdiam tudo e recomeçavam...Os tempos passaram, aquele inferno do córrego do Ipiranga, transformado em espelho dágua, depois novamente reaberto, de nada adiantou mas porque? porque a população cresceu demais, outros córregos foram sendo canalizados e as águas pluviais, correndo por galerias construidas há 60 anos atrás. Obviamente a sujeira, o crescimento desordenado dos bairros, aliados à falta de educação do povo são ingredientes que colaboram para esse inferno que virou São paulo. Eu daqui tão longe, me arranco os cabelos todas as tardes pensando nos meus familiares, em meu filho etc.
    Acho que já era tempo de mudar a capital para outro município...Não vejo outra solução; quando se vê essas fotos fico imaginando que o Haiti é aqui..Nosso dinheiro saiu facilmente para a ajuda dos haitianos mas quando se pede verbas para pavimentação, ampliação da malha viária, desobstrução de galerias, a burocracia emperra..os cofres minguam..É inacreditável pensar que forças brasileiras vão guardar um outro país quando aqui mora a violência e o abandono; a legislação proibe o exército de atuar em conjunto com a PM...
    Essa terra tupiniquim está girando sem rumo infelizmente!
    bjs, Dolly

    ResponderExcluir

Fala que eu te escuto



Visualizações

Categorias