Brasil - O Encanto da arte do cotidiano

Já contei aqui que tudo que aprendi até hoje sobre artes manuais foi dentro de casa. Observando aqui e ali, aprendi com as avós, as tias e a mamãe. Muitas daquelas idéias e jeitos de fazer têm haver com quase tudo que faço hoje. Senta que lá vem história.
Posso dizer que reinvento todos os dias, sim, porque todos os dias surgem novas idéias, novas técnicas mais fáceis, materiais ecológicos... A criação brasileira se manifesta com força e beleza em cada canto do país.
Recentemente tive a oportunidade de confirmar esse fato muito de perto.
Tivemos (eu e uma prima) uma pequena lojinha de produtos para a casa e um pouco de acessórios de moda num bairro bem legal aqui em Sampa.
Vendíamos de tudo um pouco, mas sem dúvida o que era artesanal, repaginado ou reciclado, não esquentava nas prateleiras de jeito nenhum.
Ali aprendi muito e conheci um novo universo e reciclei idéias! Por esse lado foi muito gratificante mesmo. Aliás, meu conceito de super homens e mulheres bem sucedidas mudaram totalmente.
Éramos procuradas por empresas grandes para bolar brindes de final de ano, por escolas, por empresas de evento, enfim por pessoas que viam possibilidades diferenciadas em presentear com idéias novas e personalizadas.
Acompanho de perto a reviravolta que a internet promove todos os dias, percebo pessoas jovens bem educadas com ensino superior, diplomas e especializações variadas, se dedicando a fazer trabalhos artesanais e isso parece ser um fenômeno mundial. Esse novo perfil de artesãos e negócios vai crescendo dia a dia com o surgimento de sites, blogs e comunidades on line.

O que mais curto nisso tudo é ver o trabalho artesanal sendo valorizado como merece. Hoje por exemplo, mães que optam em deixar seus “bons empregos” para criar os filhos encontram independência e valorização numa atividade manual sem abrir mão do tempo com a família ou bem estar.
Podem reparar produtos artesanais, reciclados, produzidos com cuidados ambientais estão cada dia mais valorizado, ninguém agüenta mais consumir produtos chineses de produção massiva, pior escrava e de qualidade duvidosa.
Tá certo! Dependemos das grandes indústrias e de uma parafernália de produtos e tecnologias e eu gosto de comprar bons produtos, máquinas, utensílios, eletrônicos de ponta... Precisamos de dinheiro, precisamos viver com dignidade e isso é muito positivo para a economia.
Mas, também é mais do que hora de olhos atentos garimpar tesouros escondidos em rios, serras e vales. Um bom momento de se reconhecer nas redes de D. Pedro II, no Piauí; de se abrigar nas mantas de lã dos pampas gaúchos; de enfeitar a casa com rendas do Ceará e de Santa Catarina... De lembrar a infância e sorrir com as galinhas de quintal, presentes na arte popular de norte a sul, de leste a oeste.
Tem muito trabalho por ai feito em casa ou não, bem cuidado e elaborado, com uma cara mais moderna, diferente pronta para atender sob medida o consumidor conscientemente que sabe fazer conta de custo beneficio – Isso é bom demais!

Entretanto o trabalho artesanal e cuidadoso deve ser consumido e valorizado pelo que é em si, ou seja, quando desejamos um objeto para a casa, para aquele canto especifico ou quando queremos presentear alguém com personalidade, ou ainda quando saímos à caça daquela peça perfeita que falta em nosso guarda roupas... Não as encontramos nos shoppings centers, nem na revistas de moda! Muitas coisas são feitas sob medida e hoje num mundo cada vez mais impessoal, onde se compra a rodo e a toda hora, acho que consumir de maneira consciente aumenta e diversifica as opções de compra, alegra os olhos e faz bem danado para a alma!
Essa almofada é da Samariquinha
A Boina é do Pessoal da Paranoarte de Brasília
Mas não é só de gente jovem que vive esse mercado não. A mamãe é um bom exemplo.
Hoje no auge dos seus 76 aninhos, viúva há mais de 20 anos, vive com bastante dignidade e do trabalho dela como artesã. Mora bem, paga suas despesas, investe nas suas criações, tem vida profissional ativa e pasmem! Não perde nenhum curso novo.
Além disso, é sempre convidada para expor em feiras, bazares descolados e atualmente também é fornecedora exclusiva de uma loja badalada nos jardins.


Sem nenhum problema de saúde, completamente lúcida e acreditando que Ronaldo Fenômeno vai marcar pelo menos 30 gols este ano. Não perde nenhuma partida dos campeonatos favoritos e é frequentadora assídua de bingos clandestinos (desculpe mamãe te entreguei).
Ah, só mais um detalhe: ela odeia, essa é palavra odeia tirar fotografias. Sempre coloca a mão na cara para não aparecer nas fotos. Essa imagem foi do último dia das mães  portanto, é uma raridade.
Se você gosta de artesanato sabe fazer, têm boas idéias, gasta sua energia criando cada vez mais coisas incríveis, vale terceirizar sim tem muita gente que gosta mais da produção e precisa de trabalho. O lucro diminui? Em parte.
Se pensarmos no lucro não somente financeiro, mas pelo bem comum desenvolvendo parcerias, distribuição dos produtos, sem perder o foco artesanal, fica equilibrado e quando aprendemos a dividir ganhamos mais.

Então se me permitem gostaria de deixar uma sugestão para pensar:
Se a profissão que você escolheu não te garante direito nem o "certo no fim do mês, Por que não?!!Afinal, estamos nessa vida e passamos tão pouco tempo nela... Nesse caso não seria melhor experimentar respeitar a própria individualidade? Valorizar sua criatividade e ficar mais de bem com o mundo?!
E viva o mundo criativo!!!
Somos muito diferentes então por que parecer iguais?
Impossível citar ou mostrar todas as pessoas geniais espalhadas pelo nosso Brasil, ONGS, Artesãos, Estilistas e Designers...

Mas, compartilhar idéias, compartilhar amor, compartilhar emoções. É o que nos faz mais vivos e felizes! Eu me sinto assim.

42 comentários:

  1. Eu estava de bobeira esperando uma informação chegar quando vi este post saindo do forno! Você não pode imaginar o enorme significado das suas palavras no momento que estou vivendo! Talvez você nunca venha a saber, mas receba meu muito obrigada por isso agora. De coração!
    beijos

    ResponderExcluir
  2. olá, Santinha!
    nossa esse post está bárbaro - dá incentivo a todos os que trabalham com artesanato, as fotos maravihosas e, essa mãezinha que encanto. hoje, parabéns duplo, a você e sua mamãe.
    bjkinhas

    ResponderExcluir
  3. Que delicia ler seu post de hj Santinha... me indentifiquei tanto! rs... na verdade ainda sonho em viver disso! rs... de artesanato... mas ainda a vida não me permite tanta aventura! Sobre sua mãe achei lindo, emocionante o que escreveu! Um exemplo de vida a todas nós.... acredito q o corpo envelhece, mas a alma não pode envelhecer jamais!! Isso sua mãe tira d letra....
    Um grande beijo a vc... tive vontade ao terminar de ler, correr no meu cantinho de arte e fazer algo!! Vc me inspirou com suas palavras, não é emocionante esta troca??? Adoro! Bjs grandes

    ResponderExcluir
  4. Puxa, eu amei ler suas palavras.
    Trabalho no Mercado Financeiro, estressante, massacrante mas o que me sustenta até hoje.
    Sonho viver do meu artesanato. E olha que sou bem xereta... Faço tricô, bijuterias, sei pintar tecido, bordar e agora me meti a aprender tricô no tear de pregos!
    Cada dia mais sinto vontade de fazer o que vc disse: me respeitar, valorizar minha vida e viver disso.
    Obrigada, as suas palavras me mostraram que não sou doida, que tem mais pessoas que pensam como eu!

    Beijinhos!

    Cristina

    ResponderExcluir
  5. Santinha,
    Adoro artesanato, e nosso país tem um artesanato riquíssimo, do norte ao sul.
    Pena que não conheci sua loja. Acho que devia ser fantástica.
    E gostei de saber que sua mãe vive do seu artesanato. Deve fazer coisas lindas.
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  6. Amiga querida, o post é aquela pérola de sempre, portanto só me resta deixar aqueeeeele beijo nessa carinha gostosa de dona Zélia!
    Beijos lindas!

    ResponderExcluir
  7. Ô Yvone,
    vc sempre com as palavras certas na hora exata!!!
    Genial tudo que vc disse, muito bem colocado. Me identifiquei muito, pois sei bem como é essa vida de artesão e ando tão perdidinha... caiu como uma luva! Eu sei fazer as coisas, produzir belas peças (sem falsa modéstia), mas sou péssima nos negócios. Ainda tenho muito que aprender pra conseguir viver do que faço.
    Parabéns pelo dom da palavra...!!!
    Bjks! ;)

    ResponderExcluir
  8. Santinha, sou leitora assidua de seu blog, bato cartao mesmo.
    Adoro suas abordagens,vc escreve de uma maneira gostosa, a gente le e fica com gosto de quero mais..

    ResponderExcluir
  9. Santinha,
    Como é bom encontrar postagens como essa.
    E viva sua mãe, serve de exemplo pra gente.
    Gostoso ler voce. Aqui tem cheiro de amor e gosto de vida.
    Ah! Comentei sobre feiras, no outro post.
    Um abração mineiro.

    ResponderExcluir
  10. Nossa!
    Quanta arte maravilhosa!Tudo de bom gosto!
    Parabens para todas que fizeram estas belezas1
    Com carinho Monica

    ResponderExcluir
  11. oi menina!
    adorei teu post, na verdade me apaixonei!
    eu penso exatamente assim- faço , crio, vejo e tento fazer igual (mas nunca fica) e divido - o processo da multiplicação- tem tantaa gente que morrre de medo de mostrar o que sabe,
    eu não - até nos encontros de amigas, fizemos um troca-troca de ideias e criatividade-isto que é o legal!
    bjs

    ResponderExcluir
  12. Santinha,
    Pois faça mais do lustre de chita. Ele ficou muito lindo e vai sair todos.
    Um abraço,

    ResponderExcluir
  13. Obrigada por aparecer! adoro o que escreve.
    Eu tive sorte com meus padrinhos, escolhidos por mamae. Mas agora só tenho os que não posso pedir a benção por que são quase da minha idade.
    Mas assim mesmo sou feliz porque houve uma época que memonstraram carinho por mim como afilhada.

    E meus irmão não erraram. Os padrinhos são os proprios irmãos.

    ResponderExcluir
  14. Yvone

    Como tua mãe é bonita, mulher! Quando eu crescer quero ser igualzinha a ela, mas antes disso no período intermediário quero ser igual a você...ehehehe... que também é muito bonita. Ah! E inteligente, com ideias lúcidas e revolucionárias.

    Gosto da forma como abordou e deu importância ao trabalho artesanal. Eu não sou artesã, nem em sonho me tornaria uma (sei de minhas limitações) mas fico encantadíssima com quem tem esse talento. E sim, felizmente a gente vê web afora uma profusão de sites e blogs que valorizam esse tipo de arte. Isso é muito bom.

    Também fico contente de ver tuas ideias, e compartilho delas, acerca do consumismo exagerado. Gosto quando leio você defender a parcimônia no comprar, porque penso assim e passo a não me sentir um ET. Afinal, a regra que se vê é justamente o contrário, né?

    Ei! Caminhar em meio a poluição certamente é muito difícil...
    Fiquei pensando daqui: pensa em mudar depois da aposentadoria? :o
    Beijos

    ResponderExcluir
  15. olá, Santinha!
    agradeço sua visita!
    e a dica da farinha de trigo, confesso que já usei uma vez e, realmente, ficou diferente. e bom ter amigos para nos refrescar a memória - hehe - vou tentar lembrar no próximo preparo e aguardo a receita do molho itamineiro, hummm, deve ser maravilhosos!
    bjkinhas

    ResponderExcluir
  16. Todas vocês estão inflando meu ego pra cacete, mas eu só falei o que eu acho, vivi e tenho vivido.

    E Lidiane minha querida, no seu coment, onde me pergunta no ultimo parágrafo: “Ei! Caminhar em meio a poluição certamente é muito difícil...Fiquei pensando daqui: pensa em mudar depois da aposentadoria? :o”

    Eu fiquei pensando: “Mas que aposentadoria?”
    Bom, posso ir morar na minha pousdainha lá no mato, posso ir para Itu, interior de São Paulo lugar aonde meu marido já passa mais tempo, posso ir querer passar uma temporada nos EUA onde tenho filhos, posso querer ficar aqui em Sampa mesmo no meio do burburinho (descobri que sou urbanóide)... Só não posso parar de trabalhar nunca! Se não viu mamãe? O que há mantém saudável, jovem e pra cima é o trabalho, e eu não pretendo jamais deixar de aprender e trabalhar (pelo menos até eu agüentar né).

    Este período intermediário entre eu, você e minha mãe, foi muito árduo. Nós mulheres da minha geração tivemos que colocar em prática antiga reivindicações. E com a ajuda da ciência, da internet e com uma postura otimista, chegamos (pelo menos eu cheguei) com energia e cheia de projetos.

    Tem calorões sim, irritabilidade, aumento de peso, dores de cabeça, muita vontade de sumir pra uma ilha deserta. E até mesmo o pobre coitado daquele companheiro que agüentou anos a fio a nossa TPM dá vontade de estrangularrrr.

    Passamos os últimos 30 anos mudando o mundo e isso dá muito trabalho, mas uma coisa é certa Lidiane, nós moças cinquentonas ao contrario de nossas mães e avós encaramos a nova fase com otimismo, ou realismo, como queira.

    Estamos envelhecendo sim, mas os novos 50 anos são certamente mais jovens independentes e bem resolvidos - Podemos ir às academias, usar cremes e ácidos rejuvenescedores, não abdicar da vida sexual e da realização afetiva nem pensar em se aposentar ou ficar em casa fazendo sapatinhos de crochê para os netos.

    "Nossa geração de 50 anos já mudou a forma de envelhecer". Fomos pioneiras em nossas próprias vidas e o preço do pioneirismo é o eterno desconforto. A recompensa é o surpreendente sentimento de orgulho da nossa individualidade duramente conquistada. A grande recompensa por ter 50 anos em uma sociedade que vive e respira o culto ao corpo é que você se importa menos com a crítica e tem menos medo do confronto.

    Alguém duvida que seja mole mole romper mais esse tabu?

    Rezo todos os dias para Deus me conceder o privilégio de ficar igual à mamãe. Ela é um charme nénão?!

    Beijos a todas obrigada pelas palavras sempre tão carinhosas.

    ResponderExcluir
  17. Santinha, amei seu post , que coisas lindas vc mostrou e que lindas palavras no post e agora em seu comentario tb. Sua mamãe , eu já tinha visto alguns trabalhos dela , mas ela é por demais linda e um exemplo daquilo que todas nós cinquentonas gostariamos de ser um dia, com saude que é o mais importante e essa vitalidade toda pra ainda criar tanta coisa linda. E vc minha amiga tem o gene, com certeza vai chegar lá, já es uma pessoa maravilhosa e com certeza tens a quem puxar ;
    Adorei a sua dica de aproveitar o pãozinho frances tb , vou lembrar de fazer qualquer hora , um beijão bem grande pra vc e pra sua mamãe.

    ResponderExcluir
  18. Yvone

    ...hummm... acho que mandei mal, ou não me expressei bem, quando usei o termo aposentadoria, né? :(

    Deixa eu esclarecer? Eu não associo o período de aposentadoria a parar de produzir ou fazer as coisas que dão prazer. Meu maior exemplo é minha sogra, que é bem mais madura que você (bem mais, viu? ;)) e está aposentada. Ela escolheu ir morar um pouco mais perto da praia (lá em PE) e próximo aos locais que ela gosta de frequentar (mercado, igreja, academia, calçadão para caminhada) para usar ônibus o menos possível. Todo final de semana sai para as baladas dela e está sempre presente nos congressos (ela é advogada) para reciclar os conhecimentos pertinentes a carreira.

    Enfim, associo a aposentadoria a um período em que o trabalho não seja mais um meio vital para obtenção de dinheiro, mas não quer dizer que ele não possa ser uma fonte de prazer. Nesse sentido é que pensei que talvez quisesse fugir de Sampa quando chegasse nesse período da sua vida, mas também imaginava que ele está beeeeemmmm longe. ;)

    Beijos e beijos... :D

    ResponderExcluir
  19. Eu vi outra vez de tão bonito que achei!
    Estou de férias até final de julho
    Com carinho
    Monica

    ResponderExcluir
  20. Querida Santinha, adorei o post, e penso como você adoro valorizar o nosso artesanato também. Temos neste Brasil afora artesãos que nem imaginamos o que fazem e que quando descobrimos, sabemos que encontramos uma jóia. Sua mãe deveria gostar de fotos, pois com o rostinho que tem(de quero te dar carinho), iria virar com certeza, modelo de mãe e avó para muitas revistas. Bjss.

    ResponderExcluir
  21. Obrigada pelas palavras, Yvone. :D
    Não tenho dúvidas de que também adoraria conhecê-la pessoalmente.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  22. Adorei suas palavras estou prestes a deixar tudo que faço... é já tenho até pós graduação, mas as coisas estão ficando muito difecies para mim e está faltando apenas coragem.
    Suas palavras me encheram de animo, acho que chegou a hora de por meu lado artista para fora rsrs.
    Obrigada!
    Simone

    ResponderExcluir
  23. Adoro seu cantinho!

    Realmente parece um fenômeno mundial a dedicação em por em prática nossa criatividade em artesanatos específicos e vemos cada vez mais diplomados ganhando dinheiro com isso.

    Quer dizer que teve uma lojinha fashion assim? Legal!

    Um beijo,
    Talita.

    ResponderExcluir
  24. Santinha a tinta é Suvinil, mas a ref. eu não tenho, pq. a loja costuma fazer varias misturas e eu peguei uma delas e mandei fazer para mim. Estava na parede da loja e eu só mandei bater igual.

    ResponderExcluir
  25. Oi Santinha, foi no meu blog mesmo, dia 01/07, que você leu a história do casal.Bjs

    ResponderExcluir
  26. Oi Yvone, valeu pelos parabéns, foram em tempo sim, viu.
    Faz tempo que não passo por aqui, vou até verificar lá no bloguito se seu endereço ainda está lá, é que de vez em quando o blogger elimina alguém, não entendo porque.
    Mas o blog tá com tudo heim, adorei o post e o bolo de milho então, é de dar água na boca.
    ;)

    ResponderExcluir
  27. Yvone que post é este??? amei! estou em uma fase delicada e as suas palavras vieram afirmar oque estou sentindo. Tbm achei um luxo as bandanas e o luxo é básico!Adoro isso... mas oq houve com sua loja?parabens pra sua mae e obrigada pelo texto.Bjo grande querida.

    ResponderExcluir
  28. Uau! eu achei que vc estava falando só comigo! rsrsrs... mas tem tanta gente na mesma situação!
    Agradeço muito pela visita e, se tiver um tempinho, aparece lá de novo para ver o que vc me incentivou a fazer!
    beijinhos

    ResponderExcluir
  29. Concordo com vc! Excelente post!
    Obrigada pela visitinha, e quanto o tecido que estofei as cadeiras, não é chita, é gorgurão. Eu adoro chita, mas acho um pouco frágil por ser fininho... o gorgurão é um tecido mais robusto, mais resistente e tem lindas estampas... é o mesmo preço da chita. Como as cadeiras são muito usadas, acho que a chita ia rasgar rapidinho...
    BjOs e até mais.

    ResponderExcluir
  30. Santinha, falou tudo e bonito amiga!!!
    Estava pensando nisso, que hoje as mulheres caíram no conto do sucesso e não querem mais isso.
    O maior prazer é estar junto com a família e como tirar um dinheiro bom?!
    Artesanato!
    Eu estou treinando para quando o baby vir, eu tenha uma ocupação em casa e começar a vender.
    Já que vc engravida e te mandam embora logo depois da licença maternidade.
    Parabéns, muito bom o post.
    Bjss

    ResponderExcluir
  31. Santinha,
    Adorei seu blog.
    Aqui no Japão onde moro recicla-se muito. Faço artesanato, desenho e pinto apesar de ser formada em faculdade de outra coisa.
    Venha me visitar no blog quando puder.
    beijos,
    Elisa

    ResponderExcluir
  32. Muito orgulho de sermos brasileiras!!
    Beijos lindona!

    ResponderExcluir
  33. Olá!!! Espero que se lembre de mim!!Sou a Priscila do antigo blog "Caes e arte" tive uns problemas, sai , mas voltei renovada, com novidades bem fofa!!! Estou voltadnoa os poucos!!!
    bjs da pri

    ResponderExcluir
  34. Ameiiiiiiiiiiiiiiiiiiii seu blog, muito interessante e gostoso!!!
    Já virei sua seguidora!!!
    Beijos e parabéns
    Vero:)

    ResponderExcluir
  35. Oi Yvone
    Sim eu sei que estou em falta com vc e metade da blogosfera rsrsrsrs.É que ainda estou enrolada com o tempo e não saí de férias.As vezes até dou uma passadinha rápida e acabo não comentando.
    Adorei o post.
    Tenha um bom FDS!
    Bjs

    ResponderExcluir
  36. Santinha,
    Obrigada pela visita.
    Vc viu mesmo as minhas postagens! Fiquei muito contente.
    Venha sempre.
    Eu também pinto e faço artesanato. Vou postar meus trabalhos.
    beijos,
    Elisa

    ResponderExcluir
  37. Olá Santinha!
    Guardei "Quem faz o que gosta nunca vai trabalhar na vida."
    Um grande abraço!!!

    ResponderExcluir
  38. Oi amiga,
    nossa fiquei emocianada com sua postagem, porque eu sou uma dessas pessoas que hoje só faz oq ue gosta, mesmo que isso não me traga nenhum lucro, sou feliz assim, afinal na vida é preciso correr riscos.
    parabéns pela mãezona firme e forte no artesanato.
    uma final de semana abençoado e inspirador
    beijos

    ResponderExcluir
  39. Nossa,
    Encontrei seu blog e adorei.
    As coisinhas são lindas.
    Amei de verdade!
    Add como seguidora, tudo bem?
    Abraços.

    ResponderExcluir
  40. Yvone

    Fico grata pelo comentário onde aponta pontos positivos do Bicha. Para o que desejo, que é continuar fazendo do blog um local de trocas cada vez mais gostoso e interativo, isso é muito bom.
    Ah! Muito obrigada por levantar tanto a bola do Bicha no post que fala da citação do blog num site do MS... ehehe...
    A verdade é que me esforço para fazer do Bicha um point virtual bem legal, e depois é muito bom ver a troca que resulta disso tudo. ;)
    Beijos

    ResponderExcluir

Fala que eu te escuto



Visualizações

Categorias