Cebolas e filosofia


Semana passada conversando com minha filha pelo skype que mora longe, pensei, mas não falei, que ela precisa urgentemente aprender a descascar e picar uma cebola.
Tem movimento mais repetido na cozinha do que o ato de cortar cebola?
Durante algum tempo corri que nem o diabo da cruz na vã tentativa de me esquivar desta tarefa, mas hoje encaro a batalha de frente. Sim, ainda é uma batalha: o sucesso depende da eficiência da arma, porque faca ruim dificulta o serviço. E também da técnica e experiência, já que há jeitos certos de executar a ação e a prática facilita muito.
Encontrei no Vímeo um vídeo curtinho e bem feito para ensinar a picar e fatiar cebolas, que encaminhei para ela e divido com vocês
.



Como descascar e picar cebola from Paladar Estadão on Vimeo.

Enquanto ela tentava sem sucesso picar a cebola, entre choros e risadas nos despedimos.
No mesmo dia, um pouco mais tarde era a minha vez de picar a cebola, (não sei cozinhar nada sem cebola), lembrei da nossa conversa e também do poema de Neruda “Ode a Cebola”, em que ela fala dela como ‘rosa d´água com escamas de cristal’. Aliás, depois de ler o poema uma cebola nunca será a mesma coisa.

Você alguma vez já parou para admirar uma cebola? Já se deteve observando a maneira única como seus anéis transparentes se organizam? Círculos concêntricos fechando-se e abrindo-se uns sobre os outros.
Nossa existência com suas lembranças; amigos, amores, aventuras, desafetos, dores e alegrias também são organizados em nossos corações em fases. Ciclos que se expandem e se contraem de maneira semelhante às alianças das cebolas.
A cebola tem força e tem alma. Tira-se uma casca após a outra e a cebola continua a existir, e mesmo quando se tira a ultima casca, quem ousaria a dizer que a cebola acabou?

Estou na cozinha
Brinco com as palavras...
Onion...poema
Só- cebola
Estou só.
Choro.

E se você está pensando se eu já cortei cebola e aproveitei a desculpa para chorar de verdade, isso só aconteceu uma vez. Ok, duas.
Bj
yvone

6 comentários:

  1. Pois é... a cebola, muitas vezes relegada a ser apenas coadjuvante na cozinha, deveria ser estudada mais profundamente. Filosoficamente falando.
    Adorei o post.

    http://vidanadaperene.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Olá menina,
    Adorei o post.
    Eu não choro mais cortando cebola, porque agora corto elas geladas, tenta.
    Tenha uma ótima semana.
    Beijos
    http://www.meucantinhos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Eu amei o vídeo, agora aprendi a cortar a cebola.
    Sabe... adoro o cheirinho da cebola, dourando no azeite... hummmm

    ResponderExcluir
  4. Delícia essa sua nova fase... tão poética!
    Abraço,
    Jussara - minasdemim.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Assisti o vídeo para ver se estou fazendo certo! Gosto bastante de cebola, mas evito comer crua por causa do hálito ruim que deixa. Me ensinaram a deixá-la de molho no leite, mas e o gosto? Daí não testei. Quando tenho tempo, deixo que ela macere.
    A cebola dá um sabor diferencial em quase todos os pratos e quando tenho visitas em casa, costumo bater a cebola e deixá-la na geladeira dentro de potinhos de vidro. A coisa mais chata é ver pessoas separando a cebola no prato.
    Faz muito bem comer cebola todos os dias. Ela fortalece os músculos do coração, apesar de nos fazer chorar! (rs*)
    Um poema fofinho para a cebola! É amor demais!
    :)
    Beijus,

    ResponderExcluir
  6. OLÁ ! MULHER ABENÇOADA !

    Seus mimos são lindos,te seguindo.
    e desejo ser aprovada para retornar mais vezes neste espaço criativo...
    Gostei da dica....
    que sua semana seja de bençãos e muitas alegrias.

    beijos !!!!

    ResponderExcluir

Fala que eu te escuto



Visualizações

Categorias