Eu acredito em Papai Noel

Imagem Flickr Glorinha Fischer
Não quero ser hipócrita e nem demagoga e dizer que as festas de final de ano são só maravilhas não. Para muita gente me incluindo ai - muitas vezes chega a ser um tormento. As famílias cada vez mais divididas, muitos morando distantes, as ruas, as lojas, os shoppings viram um inferno e no final das contas a gente acaba torcendo para tudo passar logo – Vira tudo uma função!

Mas nem tudo são dúvidas e tristeza no Natal, pelo contrário, essa data deve ser celebrada com muita alegria por todas as famílias, principalmente para as crianças.

Quando era criança apesar de pobres, morava em algum lugar da periferia de São Paulo, sem interpretações please, minha infância foi pobre, mas foi original e a magia da época do Natal com a chegada do Papai-Noel são fatos que ficaram marcados para sempre na minha memória, e que influenciaram inclusive a educação dos meus filhos.

Minha infância foi bem humilde, mas nem por isso meus pais deixaram o Papai Noel passar em branco. Todos os anos eu escrevia a cartinha e esperava ansiosa pela chegada dele, que só vinha quando eu dormia.
A gente ganhava brinquedos só no Natal ou no aniversário, e não todas às vezes que íamos ao supermercado ou no shopping que, aliás, nem existia... E por incrível que pareça nossas vidas não se arruinaram porque não ganharmos tudo o que gostaríamos ou queríamos.
Mas, sendo honesta devo confessar que algo mudou em mim. O encanto se foi. A magia se perdeu. É como se tivesse sido despertada de um sonho encantado, um sonho do qual sinto saudades. O que aconteceu? A resposta é simples: Deixei de ser criança.
Virei adulta e constatei por fim e para meu desencanto, que o Papai Noel existe numa dimensão diferente desta em que vivo trabalho, sofro e sonho.
Lá nessa dimensão distante e especial, ele é muito poderoso: conhece todas as crianças do mundo; é capaz de responder às orações, ou melhor, às cartinhas daquelas que nele acreditam; é veloz o bastante para circundar o planeta nas noites de Natal, distribuindo presentes e por aí vai.
Que velhinho poderoso e cativante! Adoraria de verdade que ele pudesse se mudar desse plano literário-folclórico em que existe e viesse para a dimensão material-humana na qual estamos.Acho difícil. Talvez impossível. Mas nem por isso ouso negar a existência do Papai Noel.

Graças a ele consigo reunir minha família para compartilharmos a ceia de Natal;
Brinco de amigo secreto com meus familiares, amigos, filhos, onde um abraço e um beijo carinhoso valem mais que o presente;
Porque Natal é uma noite festiva onde a família brinca ri e os problemas e diferenças são esquecidos ainda que por algumas horas.
Sei que ele está lá em algum lugar, nas historinhas infantis, no folclore natalino, nas lembranças empoeiradas que preservo da minha infância distante e feliz, no coração de milhares de crianças que continuam a escrever-lhe cartinhas impregnadas de amor e esperança...
A cartinha que retirei nos correiros (abra)
Um pouco de fofurices das amigas do Flickr

Invencionices da amiga Vera Chita


da Adriana Paiva - Artesãos do Projeto Oficina Borácea
Mara Porto - Mini Árvore de Madeira
Eu ainda acredito em Papai Noel!

Ah, você não precisa acreditar em papai Noel, mas pode ser um “Casa do Papai Noel” correios de sua região clica aqui tá!

17 comentários:

  1. Yvone, que lindas essas árvores " alternativas" rss, amei!!
    Tenho tb uma relação de amor e ódio com o Natal, mas como tenho um pequeno em casa, ainda curtimos bastante!! beijos

    ResponderExcluir
  2. Querida,
    Em primeiro lugar, um "muito obrigada" profundo, de coração e permeado por um abraço bem apertado, pela força naquele post do "Talma Simplesmente".
    Em poucas palavras: tá foda!
    Eu gostaria de estar perto dela agora, mas ´não dá, então...Mas com calma, orações e fé, a gente chega lá ( seja esse "lá" onde for). Se eu consegui sobreviver, acho que minha querida amiga também conseguirá. Precisamos, afinal.
    Obrigada pelas palavras e pelo carinho, viu?
    ................................
    Pois é, o Bom Velhinho...
    É um cara controverso, porque ele é a personificação da esperança em qualquer coração - até nos nossos, de adultos. Mas no coração de uma criança é um 'algo mais'.
    Minha infância também foi extremamente humilde ( mas feliz) e eu ainda poderia me considerar "rica" porque apesar de tudo, eu era filha única então não tinha que dividir quarto, brinquedos nem o parco salário dos meus pais. E acredite, irmão pode ser uma experiência maravilhosa, mas no meio da miséria, não é não.
    Como você, também só ganhava presentes ( e coisas simples, dependendo das despesas gerais da casa) nessa data.
    Meu pai sempre contava uma história da vida dele, do quanto odiava o Natal, porque ele, paupérrimo, não entendia por que o Papai Noel deixava presentes caros para meninos maus ( porém ricos) e para ele e os irmãos, que acordavam cedo para dar duro, nunca vinha nada.
    O fato é que ele, com seu amargor, nunca me permitiu ser feliz no Natal, porque todo o santo ano ele vinha com aquela história de menino pobre.
    Não tinha como ficar feliz, né?
    Bem, o fato é que, apesar de termos um Natal só em família mesmo ( aquela que fica, quando fechamos a porta) as crianças ficam felizes e eu as poupo das minhas histórias natalinas, afinal, criança não tem que sofrer com as amarguras nos corações dos adultos, criança tem que ser feliz.
    :-)
    ..............................
    Falando em criança feliz, no final do mês passado já fiz a compra de todos os presentes de todos da casa. Vai ficar faltando mesmo, algumas coisas da ceia que, infelizmente, não tem como comprar com antecedência. E mais uma ou outra coisinha, mas o pior eram os presentes e, desses eu tô livre!
    ............................
    Pena que eu não consegui aumentar sua cartinha para ler, mas deve ser muito fofa, dados os enfeites que o dono ( ou dona) fez na mesma.
    Beijocas querida!!!

    ResponderExcluir
  3. Realmente, é complicado unir a família, também tenhos esse problema e fazer compras é o "Ó" do Borogodó, ainda mais quando está chovendo, aqui em Belô chove desde sexta. Sacolas, povão, guardas-chuva e empurrões não combinam, enfim mesmo assim vale a pena, pois a magia não pode acabar, é uma das poucas ilusões e sonhos que ainda podemos ter, depois começa tudo de novo dias e dias de perrengue até o próximo Natal, só ai vamos poder sonhar de novo... então que venha o Papi Noel!
    Ana

    ResponderExcluir
  4. Yvone,
    É interessante como o Natal nos traz sentimentos desencontrados. Mas os melhores parecem ser aqueles que nos surgem das lembranças da infância.
    E que venha o Papai Noel.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  5. Yvone querida ,


    Saudades de vc , adorei ler seu recadinho , e vou fazer ainda a roupa da Peposa sim, isto se a keu der uma brecha pra ela ehhehhe, pq toda hora quer alguma coisa, mas te aviso para veres as fotos, espero que ela fique lindona.
    E suas artes ??? Muito trabalho nessa época né, eu no comércio fico exausta , não vejo a hora que termine essa epoca. Ainda tenho muitas coisas a fazere estou sem a minha ajudante nas faxinas lá em casa , não fiz nada , ainda bem que como pintamos tudo está facil agora , sobraram janelas e chão , o que facilita pq isso tem que limpar sempre mesmo hehehhe.
    Tb não tenho boas recordações de natal, meu pai é comerciante e pra ele nunca é o bastatnte então fui criada naquela de ficar triste pq pra ele não estava bom, e por ai vai. A ceia lá em casa é pequena e sem muita festa.
    Bjs e boa semana pra vc .

    ResponderExcluir
  6. Ai, ai, fiquei tanto tempo sem vir até aqui que vou ter que passar algum tempo para ler tudinho. Mas já atualizei algumas coisas, viu.
    Beijo e boa semana.
    Vai lá no bloguito que tem uma receitinha bem legal.
    ;)

    ResponderExcluir
  7. Linda Santinha!
    este post é ma-ra-vi-lho-so, traduz nossos sentimentos desencontrados, lembra-nos do encanto da infância.
    eu também quero acreditar que no coração de cada pessoa exista um papai noel.
    fica com DEUS - bjkas no seu coração,

    ResponderExcluir
  8. Yvone! Feliz Natal e que esse espirito de reflexão seja uma presença constante em nossas vidas!
    Papai Noel? Já acreditamos e já fizemos outros acreditarem!Ó velhinho não é mau, ele encarna a esperança magica que um dia teremos o que desamos!
    Beijooooooooooooooo

    ResponderExcluir
  9. Linda sua história sobre natal, adorei, e eu tbm sei que o papai noel existe, ainda que em outra dimensão...
    Bjs

    ResponderExcluir
  10. Olá!!!

    EU TAMBÉM ACREDITO EM PAPAI NOEL.

    Kátia
    tudodbomptocom.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Yvone,também tive uma infância de limitações. Nunca tinha o que sonhava ganhar, mas como escreveu, "sobrevivi".
    Engraçado é que, não lembro de ter nutrido esperança em Papai Noel.
    Apesar de toda a correria, ainda é uma festa que faço questão de comemorar em casa, com a família e amigos.
    Por incrível que pareça, o que mais gosto no natal é de presentear
    ( nem sempre, com presente comprado). Acho que é a oportunidade no ano de dizer pra quem gostamos:"obrigada, por fazer parte da minha vida!"

    Que bom que gostou do post. Tinha certeza de que todos que esrevem blog se identificariam, como eu.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  12. Yvone, salvei seu texto pra ler em off,minha internet ta um caos.., mas amei as imagens q ilustra o post.
    bj

    ResponderExcluir
  13. Yvone, salvei seu texto pra ler em off,minha internet ta um caos.., mas amei as imagens q ilustra o post.
    bj

    ResponderExcluir
  14. lindo, tudo muito lindoooooooooooooooooooooooooo!!!

    ResponderExcluir
  15. Oie, postei algo que garanto que vai gostar, espero sua visitinha lá...
    Um beijo

    http://mulhersuperpoderosa.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Fala que eu te escuto



Visualizações

Categorias