Terapia na Horta

Desde criança queria ter uma horta, mas nunca tivemos espaço para ela, entretanto tive por alguns anos uma vizinha que tinha no quintal de casa horta e um galinheiro, e por sorte nos tornamos grandes amigas.
Morei na cidade a maior parte da minha vida, não tinha contato com bichos, mato, jardins e muito menos com hortas.
Quando chegou o dia que pude ter um pedacinho de terra a primeira coisa que pensei foi em começar uma horta.
Não vou falar que é fácil não. Primeiro que enfiados dentro daquela mata, logo descobri que quem dá as ordens é apenas a natureza, que esta em constante movimento e onde TUDO depende das estações do ano.
Na terra a matéria-prima é imperfeita e misteriosa, a natureza é pronta, resoluta, inesgotável, lança plantas com vigor e liberdade e quanto menos valiosa a planta, mais rápido e esplêndido o seu crescimento - já repararam nisso?
Comecei devagar, primeiro plantei só ervas para chás, banhos e temperos, depois fui para as pimentas e tomatinhos, os legumes, as folhas...
É preciso saber dar e receber, ter paciência, jeito, um pouco de estudo e habilidade, mas antes de tudo ter tempo, um projeto e uma intenção.

Jamais poderia imaginar ou calcular em valores o viço, a saúde e o encantamento que a natureza dá diariamente, sem falar na grande safra de antecipações que vem logo que as primeiras sementes rompem a superfície da terra.
Observá-los por entre as moitas e descobri-los expondo-os a luz do sol é uma delicia, a vida oferece poucos momentos como este. Mas logo é preciso colhê-los, apanhá-los antes que caiam, e no mundo (hora na terapia) a parte mais desagradável é sempre essa de apanhar as coisas do chão.

Hoje, não conheço nada que dê mais satisfação e orgulho, do que ter à mesa legumes e verduras da minha própria horta.
Quando entro num supermercado e vejo as verduras, as ervas, os legumes, me vêm uma ponta de orgulho – “Ah que delicia! Também tenho uma horta e posso desfrutá-la à vontade.

Caminhando por entre os corredores do supermercado fico sempre pensando... Hum, “este ano não preciso comprar pimentas, alecrim, manjericão e tantas outras coisinhas que eu mesma plantei inclusive algumas frutas que caem aos montes ano chão porque não é possível dar conta. - Alguém poderia dizer: “Será que compensa? Tanto trabalho? Penso por alguns instantes que essa pergunta agora para mim seria o mesmo que perguntar: Um pôr de sol compensa?”
Observar as verduras crescendo de um dia para o outro me faz pensar em algumas pessoas:

– A Alface, por exemplo, é como uma conversa: precisa ser fresca e nova, vivente a ponto de não revelar o amargor. Mas a alface, como a maioria dos conversadores, tem tendência para murchar rapidamente. Feliz aquela que chega ao apogeu e aí se demora como algumas pessoas que eu conheço – cada vez mais sólidas apetecíveis e tenras ao mesmo tempo, mais brancas no centro e viçosas na maturidade.

A Alface como a conversa, exige muito azeite, para evitar atrito e harmonizar o grupo; uma pitada de sal; outra de pimenta; certa quantidade de mostarda e vinagre, naturalmente, mas tão misturados que não se notem contrastes marcado e ainda um pouquinho de açúcar.

Numa salada, como na conversa pode-se pôr de tudo, e quanto melhor; mas o segredo esta na mistura.
Sinto-me na melhor sociedade depois que passei a observar o crescimento de um pé de alface.
Possuir um pedacinho de terra revolvê-la com a enxada, plantar sementes e observar a renovação da vida – eis o encantamento mais comum da espécie humana.
Vista do lugar

18 comentários:

  1. Yvone que delicia de vida vc leva.Esse é o meu sonho e do marido.Ter um cantinho pra descansar ,fazer uma hortinha e etc.Se tiver uma cachoeira por perto aí fica perfeito.E aquela última foto é do seu refúgio mesmo?Lindo!
    Parabéns por essa escolha de vida.
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Amigas
    Preciso esclarecer que no momento minha residência fixa é em Sampa. Mas daqui, além dos trabalhos que atuo, tomo conta da terrinha, deixamos lá uma pequena, mas muito simpática pousada. Cuido das reservas, das compras, dos empregados, da manutenção, enfim mais uma trabalheira... Mãsss compensa neh!
    A vista com as araucárias... Podemos desfrutar a vontade, todo o lugar é cercado de vales, e montanhas.
    Cachoeiras... São dezenas, uma mais linda que a outra.
    Viver num lugar assim é impossível não se contagiar.

    ResponderExcluir
  3. Que post gostoso!!!! de ler é ótimo.. imagino de viver!! ;)
    Então, eu caso em 02 de maio/09, com igreja, vestido, festa, só a grinaldo eu abri mão... (hheheh) vou usar umas flores de tecido no cabelo.. Vc acha q fiz bem então de dispensar o suplat de prata então?!?!?! ;) adorei saber o verdadeiro uso deles!!! procurei, procurei e vc foi lá e PLim! me deu a resposta de mão beijada!!! adoooooro suas dicas!!!

    Beijão!

    ResponderExcluir
  4. Trabalho???
    Num lugar desses???
    Me recuso a chamar de trabalho!!!
    Me recuso!!!
    Adorei o comentário e gostaria de esclarecer que o devido crédito já fora inserido naquele post, tá?
    E depois desta imagem das araucárias aí...
    Como acreditar que ainda existem pessoas que duvidam da existência de Deus???

    Os últimos post estão maravilhosos!

    Adoro muito tudo isso!

    ResponderExcluir
  5. Ah, Yvone, esse foi um dos melhores ( se não o melhor) que já li nos últimos tempos.
    Uma coisa simples que minha mãe sempre diz " bendita mão que planta". Diz tudo, né? Pode ser uma flor, uma alface ou uma árvore, mas que seja sempre bendita essa mão. A mão que planta uma árvore, então e abnegada...já pensou em plantar somente para seu neto ou bisneto poder aproveitar? Ou o bisneto do cara que vai comprar aquela terra de você, mas que nem ante essas perspecitivas vc desitiu de plantar. Eu acho um momento fantástico. Particularmente no sítio, plantei umas 50 ou 60 árvores - no Bosque dos Amores. Lá, cada árvore é plantada na intenção de alguém. Então já plantei árvores para Lucas e Mari, prá mim, pensando na velhice, plantei para meus avós e meu bisavô. A árvore dele foi especial, foi um Pau-Brasil. Infelizmente as formigas acabaram com ela, mas quando retornar ao Sul, eu plantarei outras tantas para ele, mas o mesmo Pau-Brasil, por ele ser o patriarca do meu matriarcado....rssss.É que ele é pai da minha avó por parte de mãe. Meu segundo nome é por causa dele: Elisa= Eliseu.
    Enfim, mas é gratificante vc comer sua salsinha, sua cebolinha, sua goiaba e sua cenoura.
    Quero sentir isso novamente.
    Amei de paixão a postagem e a vontade de conhecer a pusada só aumenta.
    Beijocas!!

    ResponderExcluir
  6. Esta salada de chuchu, é um verdadeiro espetaculo, boa lembrança, vou faze-la em breve. Tudo que a natureza nos dá,
    é divino

    Mais uma vez parabens.
    Bjs da mana.

    ResponderExcluir
  7. Que bom receber sua visita, adoro seu blog,sempre estou dando uma olhada nas novidades.
    Realmente bandejinha de isopor é um problema,vou guardando e qdo vejo ja tenho uma coleção delas, então resolvi fazer as bandejinhas,não vão ser "tão" úteis assim, mas só de não jogar-las no lixo ja ta valendo, e no final achei que ficaram bem bonitinhas!!
    Um abraço, volte sempre!!
    lena

    ResponderExcluir
  8. falando em horta vou sentir falta da minha por isso vou ter que arrancar aquele piso do quintal , preciso de terra , grama , viciei , que bom bj

    ResponderExcluir
  9. Voltei!
    Tem mimo e desafio para vc no meu blog...
    Passa lá...
    Bjkas

    ResponderExcluir
  10. Amiga, tem selinho procê!
    Beijocas!

    ResponderExcluir
  11. Oi, Yvone!
    Que texto lindo e sábio! Já convivi diretamente com a terra e a natureza e sei quanto é maravilhoso. Você que tem o previlégio de viver na natureza, desfrute-a e cuide-a por nós "urbanóides".
    Ahh! Que vontade de conhecer a pousada...
    OBS: Tem um selinho no BLOG'ARTE pra você!!!!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  12. Ivone, vc é uma abençoada por Deus, imagine desfrutar de tudo isso, mesmo ainda morando na cidade, que delícia. Moro em apertamento, mas nas férias corro para os sítios da família. Não consigo viver só na cidade, nesse corre louco e cercada de enlatados e agrotôxicos, aff! É muito bom ter um lugar assim para relaxar e respirar ar puro...amei as receitas da conserva de pimenta e da salada de chuchu...vou tentar mais uma vez a conserva, já fiz algumas mais não deram certo, rss.
    Bjos.

    ResponderExcluir
  13. tem um meme pra vc lá no meu cantinho. manda o endereço desse paraiso

    ResponderExcluir
  14. Menina, que terapia... o lugar é liiiiindo e plantar umas coisinhas é realmente terapêutico e parece que fazemos parte atuante de algo essencial e verdadeiro. Parabéns pela dedicação. Aqui em casa tem um pé de bucha que está superando o chuchu, no quesito dar.... rsrsrs, como cresce rápido!

    ResponderExcluir
  15. Olá Yvone,
    Descobri seu blog hoje e por acaso,adorei tudo o que vi,mas o que particularmente me emocionou foi sua descrição sobre a horta,natureza.Também sou urbana,mas neta de um portugues ligado a terra e este muito me ensinou e me deixou lições sobre amar a terra.Moro em apto.mas tenho meu jardim e hortinha em vasos,sinto muita falta de pisar na terra.
    Adorei o blog!!!
    Saúde e paz!!!

    ResponderExcluir
  16. Oi!

    Aproveitando deixar uma dica de qualidade de vida, para as pessoas poderem começar cultivar seus alimentos em casa, mesmo que vivam em apartamentos, em cidades grandes , onde for.

    A dica é a Horta Pronta®. A Horta que já vem Pronta! Para as pessoas começarem a se familiarizar com cultivo e não parar mais...

    Estou lançando no Brasil a idéia e o produto Horta Pronta® Online nesse mês de Agosto-2010 e já está disponível pelo site: http://sites.google.com/site/hortaprontaonline/

    A Horta Pronta® é entregue para todo Brasil pelo Correio...

    Abraço,
    Eliel.

    ResponderExcluir

Fala que eu te escuto



Visualizações

Categorias