Mais destralhe

Nossa!! Quanto tempo não passo por aqui. Gosto muito de escrever, mas eu tenho que estar inspirada e isso me faltaram nos últimos tempos. Tanta coisa – e nada – aconteceu nestes meses que fiquei fora do mundo dos blogs. Mudei tanto a maneira de ver a vida e me posicionar no mundo… Preciso descarregar um pouco aqui.
Quando criei o blog a primeira intenção era mostrar como tornar o cotidiano mais prático em casa: Reduzir, Organizar e Ter Tempo. Queria passar de consumista à pessoa centralizada e com foco. De certa forma acho que consegui e o blog serviu – e ainda serve – como um local de consulta.
Apesar de não escrever mais com regularidade, meu analytics mostra que as pessoas continuam acessando, o que torna pra mim difícil não passar por aqui e sentir vontade de, desabafar e contar mais um pouquinho sobre as impressões e experiências até aqui.

Já postei sobre desapego e destralhe aqui, mas acho que sempre vale repetir por que Ô coisa difícil de fazer não é mesmo?
O fato é que quando comecei o destralhe a dar, vender e jogar coisas fora, parei totalmente de comprar qualquer coisa nova pra mim ou pra minha casa que não fosse realmente necessária. Comecei a pensar mais em tudo o que eu tinha, por que eu tinha, se eu precisava ter ou não.
Muita coisa que era absolutamente natural na minha vida mudou e hoje não cabe mais na minha caminhada. Algumas coisas mudaram de forma mais repentina, mas muita coisa passou por um processo de amadurecimento da ideia e depois se consolidou até tornar-se um hábito, mas confesso a vocês que não só coisas ficaram para trás, descobri que a caminhada é mais solitária do que parece e por isso tive que me desapegar de muitas pessoas também.

Me auto-proclamei minimalista e comecei a viver de acordo com os meus próprios valores e crenças. No trajeto até aqui até aqui já me livrei de muita coisa — e mais importante ainda, deixei de comprar MUITA coisa –, mas ainda tenho um longo caminho pela frente.
Ainda luto para me ver livre de barulhos, de luzes fortes, de cores berrantes, de odores químicos, de revestimentos sintéticos.... e também para parar de fumar (um vai e volta sem fim), voltar para a yoga, diminuir ainda mais o consumo de carne e terminar projetos inacabados.

Posso dizer que aos poucos, a minha vida fica mais leve a casa vai se transformando num lugar onde as coisas em volta têm verdadeiramente um sentido. Amanhã posso arrumar uma mochila, deixar tudo pra trás e me mudar pra qualquer lugar e continuarei sendo eu, muito feliz, obrigada.
Mas não é fácil, nem é rápido — pelo menos não se você como eu, tiver passado mais de 30 anos acumulando coisas. E tem horas que dá um desânimo diante da quantidade de tralha que aparece, da trabalheira que é olhar coisa por coisa, do cansaço emocional que é se desfazer de certos objetos (depois passa, fiquem tranquilos, mas é cansativo).

Namastê! E bom destralhe pra todo mundo!


Visualizações

Categorias