Sabedoria Popular

Corre por aí que o bom cozinheiro não é só aquele que faz altos pratos com altos ingredientes, mas aquele que do nada faz o muito. E de fato algumas das melhores comidas são as mais simples. Quer apostar? Então vamos lá.
Experimente provar um pão quentinho com manteiga de verdade. Sim, porque há manteiga de mentira ou então rodelas de tomate italiano regadas com um fio de azeite extra virgem e uma nuvenzinha bem rala de sal. Aí meu Deus! Tente também um spaghetti  cozido no ponto certo ao alho e óleo.Mas, aposta à parte queria propor uma receita básica, básica prosaica até.

Trata-se da canja

Uma simples e singela canja da qual eu venho me lembrando insistentemente ultimamente. Canja da minha mãe, canja da minha avó, canja da minha tia. Sabor de infância! Explico: Segundona brava muita coisa para fazer na rua, frio com chuva... Ao chegar em casa comecei a ter a sensação de que ficaria gripada, uma mistura de cansaço com sintoma de gripe. Como adoro sopa e sempre achei que um bom caldo cura tudo, meu corpo cansado me propôs que uma revigorante canja seria minha única salvação.
Arrumei forças e fui direto para o “lugar de gente feliz” aqui perto de casa à caça dos ingredientes que faltavam para completar minha canja - um peito de frango com osso, ervas frescas, alguns legumes, uma baguete fininha...
Gente acredito mesmo e tenho tido comprovações de que comida é um troço milagroso. Somos o que comemos e uma boa refeição pode não curar todos os casos, mas que ajuda isso ajuda!
Nada de sopa pronta daquelas de pacote de boteco, mas uma canja bem feita, bem temperada é capaz de curar tristeza, gripe, estômagos maltratados, fígado pedindo socorro, dor de cotovelo é um bálsamo perfeito para os corpos fatigados e os corações tristes. 
Pensem comigo: uma sopa bem feita exigiu que alguém selecionasse todos os ingredientes, lavasse, picasse, ralasse todos eles...É preciso um bom tempero e deixar a poção mágica cozinhar em fogo lentamente.
Tudo feito para você que está precisando de cuidados. Por isso que canja de mãe sempre funciona! Pelo menos aqui em casa esse sempre foi o prato que meus filhos me pedem quando me disponho a fazer algo realmente especial com sabor reconfortante. As mães em geral não percebem, mas são quase todas meio bruxinhas cada uma a seu modo. Mas, voltando à Canja Caprichada e pondo fim ao lero-lero. A receita que indico demanda um pouco de tempo, e é claro que dá para simplificar muito o modo de fazer, mas se der não simplifique e curta o ritual de fazê-la.
Minha receita devidamente adaptada com o passar dos anos
Numa panela de pressão, coloque:

- 1 peito de frango bem lavado inteiro com osso,
- 1 cebola grande descascada e cortada em 4,
- 4 dentes de alhos cortados em 4),
- 2 cenouras descascadas e cortadas grosseiramente,
- um amarrado de cebolinha, salsão, salsinha, 1 folha de louro, 
Complete a panela com água até cobrir tudo e coloque o sal e uma colher de vinagre.Tampe a panela e leve ao fogo médio.
Enquanto o caldo cozinha lave 4 batatas médias e corte em pequenos cubinhos é opcional mesmo; Depois que a panela começar a chiar conte de 15 a 20 minutos e abra a panela (devidamente).
Retire o peito do frango e reserve.
Com um mix ou liquidificador bata o calado com os bagaços dos temperos e a cenoura, vai ficar um calado mais espesso.
Volte o caldo à panela e acrescente os cubinhos de batatas para cozinhar.
Antes que as batatas fiquem moles acrescente meio copo de arroz cru (sem lavar) deixe levantar fervura e acrescente umas lascas do frango desfiado. Vigie o tempo para que tudo cozinhe. Acrescente água fervida aos poucos se necessário e corrija o o sal. Apague o fogo e acrescente um punhado de salsinha picadinha por cima.
Na hora de servir já no prato regue com um fio de azeite e polvilhe queijo ralado se quiser... hummmmm.

Magra pero no muy

A boa e básica calça jeans não mente. E eu, pela primeira vez na vida, preciso emagrecer. Sempre fui magrinha. Quando engravidei pela primeira vez pesava 45 kg. E até +ou – seis meses atrás estava com 52 kg.

Agora, depois de um período de muito stress e na menopausa marquei 59 kg na balança esses dias.
Continuo magra (de roupa), mas as calças que eu gosto não entram mais e pouco a pouco percebo que estou perdendo blusas, vestidos, e até casacos.
Ainda não dispensei aquela cervejinha amiga, embora tenha comprado umas caixas de chá verde, água de coco light que jurei tomar todo dia, e nem abri.

Para piorar, estou viciada em docinhos (que eu tanto odiava).

Por vaidade, mas principalmente por medo desse negócio desenfrear, o plano, a princípio, é óbvio: menos pão, menos massas, menos queijos amarelos, menos isso e aquilo... Estou apavorada! Preciso começar uma atividade física que faz tempão venho adiando, pura preguiça (para completar).


Sopinha de legumes básica

Depois de muito tró-lo-ló como diz a amiga Lidiane do Blog Bicha Femea chegamos a algumas pequenas conclusões bem interessantes que acho valer a pena tentar:

Supermercado - Não vá ao supermercado com fome, pois dessa maneira fica difícil controlar o impulso de comprar alimentos calóricos e gordurosos.

Silêncio - comer na frente da TV também engorda…

Água - Beber muita água é super saudável, isso ninguém discute, mas descobri também que ela é ótima para ir enganando a sensação de fome, ou melhor, de vontade de comer.


Água com bossa - Folhas de hortelã ou rodelas de limão, abacaxi, melancia... Numa jarra bonita dão sabor e mais vontade de beber.

Aposte no azul - Dizem que essa cor leva à introspecção e produz um efeito calmante e relaxante.
Guardanapos e louça turquesa dão menos fome. Ainda bem que estou reformando a cozinha e tirando o vermelho... Acho que faz sentido, afinal, não existe comida azul nénão??!!


Por último: não esqueça aquela sua foto bem sexy que você tem ai nos seus guardados de biquíni em algum dos alegres verões da sua vida, assombrando na porta da geladeira. ô raiva!

E, aí, tem alguma dica boa para colar ali, além dos ímas de delivery?

Sobras da Natureza

Quando o esfria muito e chove, as flores que normalmente já são caras ficam mais caras ainda.
Se você quiser trazer para dentro de casa um pouco de natureza colhida na hora, um passeio a pé pelas ruas do bairro pode revelar boas surpresas. Quer ver?


Galhos secos de podas das árvores como esse fruto de coqueiros e palmeiras;



Hoje, caminhando e caminhando, vi muitas pedras e flores pelas calçadas. Depende para onde se olha. Na esquina de casa, colhi um ramalhete dessas florzinhas alaranjadas e pus em uma jarra... Não gastei nada. Que tal?

Luz de Velas

Ontem, durante o temporal aqui em São Paulo, vários pontos da cidade ficaram sem energia. Acabei a noite num restaurante (aqui perto de casa) que estava sem luz há mais de quatro horas, mas funcionando originalmente, iluminado por muitas, muitas velas.

Daí lembrei-me de uma dica de uma amiga querida, da época em que morei no Rio que adora velas tanto quanto eu; sabe como fazer as velas durarem o triplo do tempo?
Basta guardá-las no freezer, dentro de um pote (elas não podem ficar molhadas).
As velas congeladas queimam bem devagarzinho (faz sentido ou não?!). Eu testei a dica e garanto que dá super certo. Dias depois acendi uma vela normal, dessas brancas, às sete da noite, e as onze ela ainda estava pela metade.



Para quem gosta de meia-luz, e adora vela como eu é uma dica e tanto heim?!.
Experimente e depois me conte!

Quem guarda tem


Não gosto de juntar papeis, nem roupas que não servem, e dentro do possível mantenho sempre tudo arrumado.
Mas sempre gostei de guardar objetos que ganhei, herdei ou garimpei.
Muitas vezes, assim como enjôo de certas roupas, também me canso de olhar sempre para as mesmas coisas. Troco móvel e objetos do lugar quase o quanto mudo de roupa.


Se lá fora está frio e chovendo, as velas aparecem, os castiçais, o bule de chá que era da minha avó...

Se pelo contrario, o dia amanhece bonito com o sol brilhando, quero ver flores e cores vibrantes, e mudo de bule para jarra de suco...
Aprendi a duras penas que se não for para usar e enfeitar para que guardar?
Não tem essa de guardar para as visitas ou para dias especiais...



O bom é que sempre encontro algo bacana que estava guardado para aquecer a minha alma, ou refrescar os meus dias.
Se a vida é tão curtinha, porque não usar, gastar tudo, hoje, agora? E por que guardar palavras, afetos, sentimentos?

E você o que tem guardado? É só para os dias especiais?

Arroz Soltinho qual é o segredo?

Arroz. Aquele clássico acompanhamento que aparece em quase todas as refeições no nosso país e às vezes faz papel de prato principal. Eu nunca ouvi alguém dizer “eu não gosto de arroz” – como seria possível, afinal?
Mas existe uma dúvida que persegue todos os cozinheiros de primeira viagem e até mesmo aqueles mais experientes:

-como fazer um arroz branco de forma fácil sem que ele vire uma “papa”? Essa pergunta vive rondando minha caixa de e-mail e mais recentemente meu telefone.
Depois que meus filhos passaram a morar sozinhos e mais uma legião de amigos e amigas... Vivem me fazendo essa pergunta. Como uma boa virginiana que sou, fiz o passo a passo várias vezes até chegar nessa receita que é o mais simples possível.
Devo confessar que até bem pouco tempo atrás meu arroz não tinha padrão; um dia dava certo ficava soltinho e gostoso, em outros dias, empapado ou sem gosto... Mas finalmente aprendi e hoje faço até com os olhos fechados e nunca sai ruim.
Se existe uma técnica perfeita eu não sei, mas se existe é a minha. Ai vai.

O que você vai precisar é de óleo, arroz e água quente – além de uma panela com tampa e sal, claro. Não se preocupe com medidas!
(duas xícaras de arroz cru dá bem para 3 pessoas)
Para a água; pra cada xícara de arroz, 2 xícaras de água. Não precisa lavar.
Temperos; você pode usar a clássica cebola e alho e também aqueles temperos prontos que realmente dão mais sabor; “é o amooor sazon”, “knorr”, “arroz saboroso”, etc – Minha marca favorita do arroz é Prato Fino, aliás, desde que mudei para essa marca nunca mais o arroz empapou e dei um basta para os Tios. No No, não estou ganhando nada para falar as marcas ok?!.
- Primeiro coloque água para ferver em uma chaleira. Em uma panela coloque óleo (apenas para untar a panela ok?).
- Depois que o óleo estiver quente adicione a cebola e o alho frite uns minutinhos e assim que a cebola começar a ficar transparente junte o arroz e misture bem com a colher. Isso vai demorar uns 5 minutos.

- Em seguida adicione a água quente sobre o arroz até cobri-lo e acrescente o sal. Prestem atenção não jogue toda a água, apenas o suficiente para cobrir o arroz.
- Deixe a panela semi-tampada - Em mais ou menos 5 minutos a água do arroz já vai ter baixado um pouco, nesta etapa coloque mais água quente até cobri-lo novamente.
- Abaixe o fogo e pode tampar a panela. Cozinhe até o arroz estar cozido e ainda firme e toda a água evaporada.
Não dê as costas ao arroz enquanto o arroz estiver no fogo se não ele seca rápido ou queima.- Aumente o fogo por um minuto e desligue.
Não abra a panela por pelo menos 20 minutos, pois o calor vai terminar de cozinhar. Terminado este tempo, seu arroz está pronto.
Não se deixe enganar pelos tempos de preparo que vêm nas receitas.
Cada fogão é diferente um do outro: às vezes o que no meu fogão demora 20 minutos, no seu pode demorar mais ou menos que isso.
O mesmo vale para o forno. Só na prática é que a gente aprende o tempo certo para o preparo de cada prato.
Prontinho! Agora é só servir.

Se você quiser deixar o arroz branco mais saboroso pode adicionar temperos e vegetais durante o preparo; cenoura ralada, brócolis picado, tomate em cubinhos, cebolinha, salsinha... Mais precisamente na hora de esquentar o óleo.
Arroz fresquinho com um ovo fritinho é simplesmente para comer de joelho nénão??


Quem tiver mais dicas ou um jeitinho próprio de fazer, escreva nos comentários.

Os Poderes do Sal Grosso

Se você não acredita em urucubaca e outras interferências como a inveja em sua vida, saiba que há muita gente que crê que energias ruins enviadas por outras pessoas podem sim acabar com seus bons planos. Quantas vezes não nos sentimos esgotados ao encontrarmos determinadas pessoas na rua ou em festas, ou mesmo falando com ela por telefone? Ou então brigamos com amigos, chefe, ou companheiros sem motivo aparente? Acreditando ou não de repente parece que a vida começa a tomar rumos diferentes ou totalmente inesperados, mesmo você se esforçando para chegar ao seu objetivo - É aquele clássico: você contou sobre seus planos e eles deram errado. Crenças à parte, todo mundo sabe que o sal grosso é considerado um potente purificador de ambientes. Povos antigos já utilizavam a substância para combater o mau-olhado e deixar o ambiente a salvo de energias negativas. Não sei vocês, mas eu posso dizer que é muito bom chegar a um lugar que nos recebe bem. Logo na entrada você sente; Aqui mora gente boa. Mas há o contrário também. Tudo parece no lugar, mas a energia não flui gostosa.
Como acredito em sutilezas adoro objetos que protegem a casa pendurados na porta, dispostos no hall ou em outros ambientes.

Um prato de sal grosso junto à porta de casa funciona como um amuleto.

Para servir para as visitas

Algumas curiosidades e utilidades do sal segundo povos antigos:
Banho de sal grosso e o antigo escalda-pés (mergulhar os pés em salmoura bem quente) têm o poder de neutralizar a eletricidade do corpo.
Para quem mora longe da praia é um ótimo jeito de relaxar e renovar as energias.


- Tomar banho de água salgada com bicarbonato de sódio descarrega as energias ruins e é relaxante. Se você tiver banheira basta uma colher de sopa.
- Uma pitada de sal sobre os ombros afasta a inveja.

Se você colocar sal grosso num pote como enfeite em um ambiente, o sal grosso deve ser trocado a cada 15 dias, pois também irá saturar. O sal grosso retém a energia negativa, mas em determinado momento fica tão "pesado" que o próprio produto começa a emitir a energia negativa para o ambiente. Por este motivo devemos sempre trocá-lo. O sal grosso que foi usado e por isso já está saturado e deve ser jogado em água corrente.
Para espantar o mau-olhado ou evitar visitas indesejáveis, caboclos e caipiras costumam colocar uma fileira de sal na soleira da porta ou um copo de salmoura do lado esquerdo da entrada.
Na tradição africana quando alguém se muda as primeiras coisas a entrar na casa são: um copo de água e outro com sal. Usam sal marinho seco num pires branco atrás da porta para puxar a energia negativa de quem entra.
No Japão o sal é considerado poderoso purificar. Os japoneses mais tradicionais jogam sal todos os dias na soleira das portas e sempre que uma visita mal vinda vai embora.
A prática simples de purificação com água e sal deve ser feita à menor sensação de que o ambiente está carregado, depois de brigas ou à noite no quarto para que o sono não seja perturbado.
Cuidado: Se você é cético e não acredita nessas coisas, bem, pelo menos um pouco de precaução a mais não vai fazer mal a ninguém. Use esse e abuse desse poderoso aliado!É barato, fácil de encontrar e pode te ajudar em momentos de dificuldade energética e esgotamento.
Aproveito para deixar um abraço especial e carregado de BOAS ENERGIAS para todos os amigos virtuai ou não.
Feliz Dia do Amigo


Adotar é tudo de bom


Acho que a maioria de quem me visita por aqui sabe do meu amor incondicional aos bichos, especialmente aos cães.
Peço licencinha a todos meus leitores para falar um pouquinho sobre eles.

Há mais de um ano venho fazendo minha campanha particular. Escrevo artigos como colaboradora de conteúdo para tres portais, posto fotos dos bichinhos que estão sem um teto em meu flickr , divulgo feiras, sites, blogs e participo de várias campanhas em prol dos animais.
Além disso, depois que conheci o verdadeiro cão de raça o Vira-Lata e adotei sete deles ao londo dos últimos anos. Hoje a maioria deles moram lá no paraíso, nossa casinha no mato
pousadinha... Nunca mais pensei em comprar um cachorro - Quem tem um peludo desses em casa sabe do que eu estou falando.

Meus amigos possuem carteira de identidade, coleras com gps, cada um deles tem sua pastinha com diário; data de chegada, estimativa de idade, fotos do antes e o depois, além disso são vacinados, castrados e recebem visita do veterinário sempre que necessário (vacinas, doenças corriqueiras, socorro para apartar, brigas com ouriços e a ração é das melhores, meus bichinhos são felizes para cachorro!
Já tive vontade de trazer um deles para cá (tenho um xodó), mas só não o faço por consideração ao bichinho. Por que viver aqui num apartamento seria o pior castigo do mundo, meus amigos nunca usaram uma coleira na vida!

O vira-lata é um tremendo de um bom vivan no melhor sentido. É confiante, tinhoso, furão, malandro, fuçador, ousado e safado.
É arrogante, desrespeitoso, debochado, mas sabe ser diplomático e esperto; sabe quando deve fingir que cedeu, para arrancar o que quer, e sabe sempre o que quer, não desiste nunca.Tai um sujeito que não tem complexo de nada nessa vida.
Sabe por instinto que tudo é uma questão de vigilância e punição, e de quem corre mais rápido, não vacila não se rende não se deixa prender e sabe dos caminhos e dos desvios do mundo.Seus "defeitos" são tão descaradamente sinceros, que fica muito difícil não acharmos virtudes neles. Os cães vira-latas também são mais resistentes fisicamente e, alem de extremamente amorosos e inteligentes, aprendem sinais de comando e ordens rapidamente. Quem nunca viu um malandro desses atravessando a rua na faixa de pedestres quando o sinal fechou? Eu já vi centenas de vezes.
Sabedoria é pouco para definir o instinto de sobrevivência e a lábia que esses amiguinhos têm. Só quem nunca teve a chance de conviver com um é que sabe.

Tuco e a Piti os dois últimos que adotei, ambos são bebes
Em países do primeiro mundo, os cães sem lar que perambulam nas ruas estão praticamente extintos. Por lá, a galera está há décadas e décadas a nossa frente no quesito “respeito ao animal”. Nesses países os desafortunados de quatro patas são recolhidos abrigados e encaminhados a um lar.
Tá, tudo bem que aqui ainda temos outros problemas igualmente urgentes, mas o panorama dos caninos que aos milhares ainda vagam ao léu, está longe de ser resolvido. O abandono e a posse irresponsável são as principais causas do problema, e como solução a imensa maioria deles tem apenas o final de vida cruel das prefeituras.

Mas como nem tudo esta perdido, existem algumas almas bondosas que salvam os coitados dos pulguentos das ruas e inúmeras organizações governamentais que fazem campanhas de adoção.
Cilque para ampliar as fotos

Tenho uma amiga a Nanci do Adota Cão, que faz um incansável trabalho na procura de famílias que queiram adotar um amiguinho. Conheçam o blog dela, de link em link você encontra um até na sua cidade, ou ainda uma forma de ajudar através de doações.

Graças à campanhas de todos os tipos, têm aparecido mais pessoas que ao buscarem um animal de estimação não analisam cor, raça, ou aparência, apenas sentimentos.

Adotar um cão vira-lata de entidades sérias não é só o inicio de uma relação de intensa amizade como também é ótimo para o bolso.
Esses animais já vêm castrados, vermifugados e vacinados. E se o “tomba” escolhido esta na fase adulta, já estão poupados o jardim da casa e os pés de mesas e cadeiras da destruição de um filhote travesso.
Uma descoberta importante para mim:
Não fui eu quem salvou meus “amiguinhos adotados”, e sim eles que trouxeram um novo sentido e uma lição enorme para minha vida.

Adote você também!


Visualizações

Categorias