Mesas possíveis - Lindas e sem gastar muito

Nessa época do ano, é fácil encontrar todo tipo de enfeite de Natal.
Difícil é conseguir escolher. Nas ruas de comércio popular de qualquer cidade sempre encontramos produtos baratos e até com relativa qualidade. Garimpar novidades ajuda muito na hora de decorar, além é claro de impressionar os convidados. Arrumar a mesa para o Natal e para o réveillon não é necessariamente sinônimo de altos preços e bastante dor de cabeça. Você pode criar mesas especiais utilizando apenas a criatividade e os objetos encontrados dentro da própria casa, sem ter que despender de muito dinheiro e estresse.

Minhas Dicas- Para cobrir as mesas e aparadores fuja das toalhas estampadas com motivos natalinos. Todo ano a mesma estampa enjoa e, além disso, arranjos e enfeites acabam nem aparecendo, eu acho que polui o visual.

- Se você tiver toalhas neutras use-as, se não as tiver, escolha um tecido bacana desses que vendem nas lojas populares e compre a metragem que seja suficiente para cobrir a mesa da maneira que você gostaria. Peça para que o vendedor corte retinho para não ficarem fiapos. Pronto você já pode cobrir a mesa. Se depois decidir que ele vai virar toalha mesmo, é só mandar fazer a barra. Já fiz isso, e ninguém percebeu que estava sem acabamento, eu juro!

- Nas mesas de apoio e aparadores pode colocar o mesmo tecido, ou mesclar com outras cores se preferir ou usar toalhas menores que você já tem.
Para mesas você também pode usar mantas, colchas de pique, redes, toalhas antigas, vasculhe armários e gavetas antes sair à cata dizendo que não tem nada.

- Hoje em dia luzes e pisca-pisca são baratérrimos, tem essas que dão um efeito bem bacana e as lâmpadas são menores e muito mais resistentes e ecológicas conhecidas como leds. Dá para colocar dentro de garrafas, nas laterais das mesas, ou mesmo encima de um bonito arranho de frutas naturais.

- Pisca-pisca e velas iluminam todo o conjunto. Já fiz isso para festas de final de ano e gostei bastante, não imaginava um resultado tão bacana. Pena que não fotografei na época.
Se o número de crianças for grande, a tendência é de que se faça uma mesa mais leve e desprovida ao máximo de objetos quebrantes como o vidro e o cristal.

- Os detalhes valorizam o conjunto. Os materiais se repetem, como se todos os arranjos conversassem. "Você tem sempre que fazer a integração de um pro outro, porque se não parece que você se preocupou com um, depois viu que tava faltando alguma coisa, começou a montar outro."

- Independente do tamanho da mesa, o que conta é o grau de imaginação com que se arruma e decora. O carinho e o capricho são fatores que fazem o resultado final ser satisfatório. Velas, folhas, toalhas, guardanapos são alguns dos itens que compõem todo o visual.
Imaginação, criatividade e sutileza fazem o diferencial.

- Por último, vá ao mercado para comprar frutas da época. A gente vai misturar tudo, gastando pouco e com coisas que além de podemos comer, ajuda a fazer uma bela composição. Veja:


Lá no flickr tem mais umas fotos.

SOS - SANTA CATARINA

Colabrore com essa causa

Olá Amigas
Ontem à noite depois de assistir ao noticiário e me deparar com mais essa catástrofe que toma conta de Santa Catarina, além de profundamente triste, fiquei pensando o que poderia dizer ou fazer aqui no meu bloguinho.
Eis que hoje pela manhã ao abrir minha caixa de mensagens, encontro esse ABENÇOADO e-mail enviado por uma prima muita querida que conhece pessoalmente os donos do Centro Shivapoint Yoga que estão mobilizados e colaborando com essa tragédia sem tamanho recebendo doações.
O Centro Shivapoint yoga fica em São Paulo e esta arrecadando roupas, sapatos, cobertores, etc para as vitimas das enchentes de Santa Catarina.

Local das arrecadações:Rua-Antonio Carlos, 690 - 2º andar
próximo metro consolação paralela a Paulista
11-3159-5106
Ajudem a repassar essa mensagem para o maior número de pessoas possíveis.
Um abraço solidário
YVONE
A Defesa Civil do Estado confirma 22.882 desabrigados - pessoas que perderam tudo e precisam dos abrigos públicos - e 31.027 desalojados - os que podem contar com ajuda de vizinhos e familiares -, além de 30 desaparecidos e oito cidades isoladas. Gaspar, Rio dos Cedros, Nova Trento e Camboriú decretaram estado de calamidade. Brusque, Ilhota e Tijucas devem seguir a mesma determinação.
O governador de Santa Catarina, Luiz Henrique da Silveira, decretou situação de emergência e afirmou que se enfrenta a pior tragédia climática da história catarinense. A Defesa Civil abriu contas bancárias para receber depósitos para ajuda às vítimas. Os dados das contas estão no site órgão
www.defesacivil.sc.gov.br

Poltronas e cadeiras

Sabe aquele par de cadeiras com braços que costuma fazer companhia ao sofá da sala? Desempenha esse papel nobre e também são super versáteis. Basta um empurrãozinho para elas deixarem seu posto oficial e ocuparem a mesa de jantar, ou vão para um cantinho reservado para leitura, servem de apoio para o quarto de hóspedes, na varanda... São peças coringa, multiuso e cabem em qualquer cantinho.

Se tiver uma cadeira ou poltrona precisando de reforma insipre-se nessas idéias.


Se você achar que tudo está perdido...

Presentes da Internet

Num mundo em que a produção de conhecimentos e de informação acontece numa velocidade impressionante, felizmente e ainda ha tempo, descobri que iria ter que investir urgente em atualização e acompanhar os novos tempos. Já falei pra vocês que eu sou insistente. Graças a Deus e a incansável curiosidade e teimosia, sozinha e muitas vezes quase enlouquecida chorando na frente do computador, acabei aprendendo na raça a me virar como podia.
O método usado foi o seguinte: ANOTAR! TUDO!!. Senhas, cadastrar e-mails, etc.. Não dá mais para lembrar tudo. Usei por muito tempo um caderninho, tipo uma agendinha e de PAPEL, e ali eu anotava tudo; endereços, senhas, etc.


Depois fui aprendendo a me organizar, como por exemplo, subdividir (em pastas separadas) lá em FAVORITOS para facilitar a procura e com isso passei a armazenar menos coisas... Enfim cada descoberta anotava no caderninho, até que um dia ele deixou de existir e agora está todo organizado aqui no meu amigo laptopatudo - Presente que ganhei de um dos meus filhote no meu último aniversáro

Claro que para muitas das minhas amigas boqueiras pela rede, não foi bem assim, elas já vieram de fábrica com essas habilidades. Mas para mim e talvez ainda para muitas de nós, dar conta de mais essa... É trabalheira demais – Mulher mudérna sofre muito!

Bom, o causo é que foi justamente através da web que acabei descobrindo os BENDITOS portais de serviços e dentre eles, encontrei um portal feminino bastante receptivo às minhas idéias e logo de cara me convidaram para colaborar nas pautas e escrever em troca de divulgar meus serviços. O Cyberamelia, isso em 2004.
Lá, passei a pesquisar mais, responder e-maisl de internautas, dúvidas, criticas, sugestões, e, além disso, passei a enviar textos simples e diretos com dicas sobre minhas próprias experiências; - um pouco de decoração de interiores, reciclagem, assuntos relacionados a paisagismo, hortas, dicas gastronômicas, soluções práticas e econômicas para redecorar a casa com pouco dinheiro, como ter organização, economia doméstica, e também garimpar idéias com soluções possíveis para cada tipo de necessidade - Quase sob medida mesmo. Resumindo: Como manter casa, comida e roupa e alma lavada? - Tudo que havia aprendido na vida, na prática, nos cursos e com outras pessoas. Foi minha salvação!
O projeto no final virou um verdadeiro laboratório de idéias, sem contar com a valiosa troca de experiências e inestimáveis ensinamentos. Tenho criado muito e realizado coisas que nem imaginava ser capaz.

Agora chegou a hora do blog, um espaço de tudo, sobre tudo o que os tornam singulares.
Por essa razão, antes mesmo de iniciar essa jornada, agradeço aqui a todas vocês pelas visitas, por me incentivarem, prestigiarem e pelos “dois selinhos”, ganhos com apenas DEZ DIAS de vida!!!. Tô muito feliz

Feliz, orgulhosa, envaidecida e começo a acreditar de verdade que estou na direção certa.

Aproveito para um agradecimento especial para a
Lucia por me escolher para mais receber mais esse selinho tão carinhoso e um grande incentivador.

Espero que todas concordem comigo na escolha para encaminhar o “mimo”, para uma novata que tem passado por aqui e atende pelo blog Tô Aprendendo -
Má Leite. Muito legal a escolha do nome, porque todos estão sempre aprendendo não é mesmo? Não demora nadinha e logo estaremos aprendendo e descobrindo coisas novas com ela - Alguém dúvida?

Estendo o “mimo” também a nossa amiga Isabel - Casa de Juntados, que sempre está prestigiando a todos e deixando comentários instigadores, e finalmente também para a Dani – do Verde Novo, que se dedica diariamente a nos lembrar e estimular a não esmorecer diante das dificuldades de salvar nosso planeta.

O B R I G A D A - todas mesmo!
Bom final de semana
bjk

Mais...


Olha que fofura, mais um reconhecimento para manter meu ego tá inflado - Enviado pela Edina Professora de Escola Infantil... Palmas pra ela heim minha gente!

Natal Feliz e sem estresse

Fim de ano! Que vontade de convocar a família e os amigos para celebrar a vida. Sem regras rígidas ou cerimônia as reuniões hoje acontecem de maneira mais calorosa e simples. Com um pouquinho de antecedência e planejamento dá para levar numa boa sem se estressar.
Sabendo exatamente quantas pessoas virão, é possível calcular a quantidade certa de comida e providenciar lugar para todos.
Informar o cardápio que tem em mente é uma boa maneira de saber se suas escolhas estão agradando ou se alguém tem restrições ao que será servido. Na dúvida é melhor apostar no cardápio tradicional.
Decidido o cardápio, comece a separar os utensílios e providencie a limpeza e os reparos necessários.
DICAS- Verifique a louça, os talheres, as toalhas e guardanapos etc... Comadre, a menos que você seja a Wilma Flintstone e viva na idade da pedra lascada, colocar um prato/copo/travessa lascado, trincado e/ou rachado na mesa é no mínimo muito deselegante.
Uma boa checagem na louça antes de ir à mesa sempre cai bem. Separado tudo já pode lavar para adiantar o serviço.
- Opte pelo serviço totalmente americano tanto a comida quanto as louças e talheres são colocados em mesas, aparador ou bufê, cada um se serve e come apoiando o prato no colo. É mais descontraído e comportam mais pessoas e você pode misturar com critério as louças mais informais. Em um serviço americano as facas não entram para facilitar a vida de todos. Nada impede que se sirva uma carne, desde que ela venha fatiada.
Porém em nome do conforto alguns convidados e especialmente para os mais velhos, você pode montar ao menos uma mesa com copos e pratos – Os demais se servem no aparador.

Quantidades esse é sempre um dilema.
Vamos lá – Números (abaixo por pessoa):
- Carnes, peixes e aves: 200 g
- Massas 200 g se forem único prato e 130 g se houver complementos
- Tortas salgadas ou doces: uma forma de 22 cm de diâmetro serve até 10 pessoas
- Refrigerantes e água: 500 ml
- Cerveja: 2 latas por pessoa
- Vinhos e champanhe: uma garrafa para cada 2 pessoas (vinhos brancos e espumantes podem ser colocados no balde com gelo ½ hora antes de servir)
- Uísque: uma garrafa para nove pessoas
- Gelo: um saco de 10 kg para cada dez pessoas
Dica: como geralmente esta data está quente, aumente a quantidade de bebidas geladas.
Conselho:- Lembre-se de que o consumo de bebida tem a ver com a quantidade de pratos servidos. Quanto maior a variedade, maior a quantidade consumida.
- Faça a lista do que vai precisar e compre bebida e comida (a não serem frutas, verduras e pães).
- Prepare os pratos (inclusive algumas sobremesas) que serão servidos e congele.
- Deixe toda a louça lavada alguns dias antes.
- Não se preocupe se as louças e os talheres não são iguais – misture tudo fica bonito mesmo não sendo do mesmo jogo
2 dias antes- Guarde gelo no freezer já em cubinhos, dentro de sacos plásticos. Acabe de preparar os pratos e leve-os para a geladeira. A faxina da casa também deve ser feita nesse dia.
- Arrume as mesas auxiliares com louças, guardanapos e toda a decoração. Para decorar a mesa, busque um ponto de inspiração. Pode ser a toalha, o arranjo de flores e frutas ou algum prato da ceia. Se você não sabe ou não tem tempo para arrumar a mesa ou as flores, peça ajuda aos amigos e familiares.
- Não é preciso que a mesa principal concentre os petiscos, copos e garrafas. Os copos poderão ficar agrupados sobre um aparador próximo ao local onde os convidados serão recebidos.
- Faça pilhas não muito alta de pratos e ao lado delas distribua guardanapos dobrados e os talheres...
Cheque o lavabo: sabonete líquido, papel higiênico e várias toalhinhas de mão.
Um pequeno arranjo, lavanda suave, lenços de papel e bowls com um pout-pourri também são adequados (analgésicos, comprimidos para cólicas, dor de cabeça) deixe um vaporizador de ambientes, numa altura fora do alcance das crianças.
Se não tiver lavabo ou um segundo banheiro – capriche na arrumação do seu banheiro (nada de calcinhas penduradas, toalhas de banho à mostra e um monte de tralhas encima da pia).

Crianças - Separe um cômodo da casa para as crianças: vídeos, caderninhos com lápis de cor, brinquedinhos para manter os pequenos entretidos.
- Arranje um espaço para que os convidados acomodem bolsas e casacos.
Finalmente encare qualquer contratempo com humor - Você dá o tom.
Ao abrir sua casa abra também seu coração. Relaxe e desfrute do prazer da companhia da família e dos amigos – com carinho, senso de humor e originalidade tudo vai dar certo. Ainda mais quando estamos entre pessoas que queremos bem!

ah Amigas deixei umas sugestões bem simples de decoração para mesas e cantinhos lá no meu flickr

Coisas Possíveis


Tem dias que a gente se sente como quem partiu ou morreu.
A gente estancou de repente ou foi o mundo então que cresceu... A gente quer ter voz ativa, no nosso destino mandar. Mas eis que chega a roda viva e carrega o destino pra lá...”


Procurando umas músicas pra baixar da internet ouvi esse pedacinho de letra da música de Chico Buarque que ficou rodopiando na minha cabeça pro resto do dia.

Atualmente, dentre outras coisas, trabalho com organização de casas e espaços em geral, o que para mim, significa também tentar decifrar o porquê carregamos sempre tantas coisas conosco. Na casa, na bolsa, nos bolsos, no carro, no escritório...
Na mesma noite assistindo a uma reprise daquele seriado LOST, fiquei sabendo que uma das atrizes da série teve sua casa incendiada no começo do ano.
Perdeu todas as fotos de infância, os diários, os primeiros móveis comprados com o dinheiro próprio, os glamorosos vestidos de gala e, certamente, alguma carta de amor. Quando perguntada sobre como estava se sentindo, disse: “pura”.

Depois de algumas perdas pelo caminho, na mesma hora entendi o teor da resposta.
A sensação de apego – por objetos, pessoas ou lugares – é uma prisão que nós mesmos criamos onde entramos para sentir segurança.
Pensei imediatamente em quantas vezes eu mesma agi assim, tentando reter um momento especifico da minha vida, uma pessoa que me faz feliz, o primeiro sapatinho da minha filha ou uma caixa cheia de passado.
Não penso que isso seja condenável, é humano oras bolas. E, muitas vezes até doloroso.
Você já parou para pensar nisso? Já olhou para o fundo das gavetas, no fundo dos armários, onde guardamos as caixas com coisas que, pensamos, uma hora ou outra servir para alguma coisa, mas que, na verdade, nunca mais são olhadas e, quando são, é apenas uma lágrima minúscula... O que tinha lá? Por que estava lá?
O que é usado constantemente nos faz feliz, fica à mostra na estante, nas paredes, na sala, no sorriso, nos encontros.
O balanço, o vai e vem talvez seja o mais forte alicerce que temos neste mundo.

Não estou dizendo que temos que viver solto, sem lembranças, ou raízes. Mas é preciso encontrar uma medida, um ponto de equilíbrio entre o que foi e o que será. Porque definitivamente não podemos controlar a roda da vida.
Ainda bem né?

Bolinho de Chuva


Qual quitute consegue superar um bolinho de chuva quentinho num dia de chuva, junto com um café fumegante?
Bolinho de chuva não tem receita, pelo menos lá em casa nunca teve. Foi o que descobri essa semana quando liguei pra mamãe para perguntar como se fazia o verdadeiro bolinho de chuva.
Ela acrescentou ao nosso papo que os bolinhos eram feitos, porque quando chovia muito ninguém podia sair de casa para comprar pão e assim o bolinho de chuva resolvia a questão.Os bolinhos que ela aprendeu a fazer com a minha avó (tem coisa mais de vó do que isso?) eram feitos com punhados... De farinha, punhados de açúcar, punhados de afeto...

-Umas 3 xícaras de farinha de trigo ou até dar o ponto das colheradas,
-1 xícara de leite
-3 ovos batidos,
-5 colheres de açúcar,
-1 pitadinha de sal e outra de fermento...
e adicionando aos poucos 1/2 xícaras chá de leite devem ser suficientes para uns 30 bolinhos.
- truque é misturar os ingredientes secos com um tanto de leite, lembrando que a massa fica mole pra fritar de colherada.
Aí é só fritar no óleo bem quente, esperar dourar, escorrer em papel absorvente e polvilhar açúcar e canela por cima.
Ah! Bolinho de chuva também não precisa ser redondinho não viu? Aliás, eu nem sei como se faz pra eles ficarem redondinhos.
Para acompanhar, um bom livro, café fresquinho, chocolate quente, um cobertor de orelha e um filminho romântico... Não tem erro.
Uma modernidade: Para deixar o bolinho crocante acrescentando ½ xícara (chá) de nozes picadas à massa crua. Uiii!
Nota da autora: Sair da cama em segundas, terças, quartas, quintas, sextas e finais de semanas chuvosos deveria ser proibido né não?
Boa Chuva!
Yvone

Uma Rua realmente *AUGUSTA

A Rua Augusta, uma das mais antigas de São Paulo, esteve, desde o inicio, à frente do seu tempo. Uma das mais conhecidas vias da cidade, ela cresceu junto com a metrópole nas primeiras décadas do século 20 – não por tabela, mas como protagonista – e chegou aos anos 50 como ponto mais elegante da cidade. Era lá, de fato e de direito, que tudo acontecia. Basta lembrar a efervescência sócio-cultural dos anos 50, 60 e 70. A Rua Augusta tornou-se mística.

Nada mais natural para uma via que cruza os Jardins, um dos bairros mais distintos da cidade, atravessando augustamente a Avenida Paulista, e as alamedas mais famosas do país. Tudo acontecia na AUGUSTA. Tudo mesmo. Foi a única a ser acarpetada – Entre a Rua Estados Unidos e a Alameda Santos – tal o grau de civilidade de seus endinheirados transeuntes.

A partir de 1966, com a inauguração do Iguatemi, primeiro shopping de São Paulo, a rua foi perdendo espaço no coração da elite. Era o inicio da jovem guarda e os carros passaram a entrar na Augusta a 120 por hora, parando a quatro dedos da esquina. - Bye, Bye Jonny, Bye, Bye Alfredo, Quem é da nossa gangue não tem medo...

A decadência das décadas de 70 e 80 – quando o país assistiu atônito a um período de recessão sem precedentes – fez muita gente imaginar que a rua (como, aliás, muitas outras) havia morrido engolida pelos novos pólos de lazer que pipocavam em bairros distante do centro.

Que nada! Uma nova tribo, ainda mais arrojada, atrevida, quase insolente, adotou a Augusta como pátria. Tanta energia e vitalidade levaram a prefeitura a iniciar uma serie de reformas (mais do que merecidas e muito mais do que atrasadas) no finalzinho dos anos 90. Era a Rua Augusta provando, novamente, sua vocação para vanguarda. Calçadas remodeladas, passeios expandidos na região da Oscar Freire, fim da fiação dos decrépitos ônibus elétricos, retirada de outdoors e propagandas ostensivas, asfalto novo, respeitando o trânsito de pedestres.

Estive lá essa semana,dediquei uma parte da sexta-feira para bater perna nos Jardins em busca de inspiração, e umas comprinhas para presentes de natal e ter o que chamo de "beauty moments". A rua está ainda mais agitada, mais envolvente, mais moderna, democrática, elegante, hype, alternativa, descolada. Enfim, realmente AUGUSTA.

Vejam quantas idéias e sugestões bacanas para presentear com muito charme.

Coisas da Nature Market - Boleira artesanato do Marrocos R$ 70,00

Saladeira Porcelana Pintada à mão R$ 18,00 cada Cumbuca

Caneca para Chá - Um charme ter a tampa...R$ 28,00

Presente Fashion R$ 120,00 - Livro que conta a história da chita no Brasil - Idealização de Renata Mellão e Renato Imbroise

Para quem adora CANECAS

Pra Balada...Boom Box lj. 02-B

Pit Stop - Dona Shina

Para visitar, olhar, se inspirar, passear... No Dona Shina tem comidinha gostosa, chope bem tirado e bom papo num ambiente bacana.O que mais a gente precisa? Só falta saber o endereço do lugar e marcar um encontro com a turma lá. Então, anote:

- Nature Market - Rua Augusta, 2.624 11-3082-5342
- Galeria Ouro Fino – 2.690
- Boom Box - Bolsa de Disco de Vinil loja no. 2 térreo 11-3061-3772
- Loja Flock – no térreo lj.120 11-3898-2898
- Brechó – No térreo
- Pasta & Grill - Dona China – Rua Augusta, 2616 – 11-3085-8032 (Rodízio de Pizzas R$ 15,50 por pessoa e no almoço bufê à vontade por R$ 13,00 por pessoa, uma perdição!)


Todas as fotos dessa tarde repleta de surpresas e gratas recordações estão no meu Flickr.

Enfeites repaginados para o Natal

A festa começa com os preparativos. Nada de estresse! Observe bem seus guardados - Você pode ter um monte de enfeites de anos passados que, se desmanchados e repaginados podem render um belo efeito visual no melhor estilo faça você mesmo! Afinal, os detalhes que antecedem essa comemoração devem ser desfrutados com carinho, passo a passo.Tenho um monte de badulaques pendurados na minha cozinha. Como este ano não vou adquirir nada novo, resolvi inventar umas coisinhas para trazer um pouco do Natal para dentro de casa...

Essa concha de alumínio com decalque é meu porta “louro”, gosto de manter os temperinhos sempre à mão. Está do lado do fogão.
Com uma pinha (do ano passado que já estava pintada com spray prata), coloquei encima do montinho de louro e adicionei umas pimentinhas secas – Vermelhas simbolizando a cor do Natal.
No cantinho próximo a base do telefone, coloquei essa mini arvore. Rosa para alegrar os “olhares”, mas já tem gente de olho nela – Coisas de Santinha...
Para a porta vai o Papai Noel que ganhei no ano passado (bem New York)Umas pluminhas verdes para acompanhar o ar de “vintage”.
Pinhas... Adoro porque são muito decorativas e dá para criar mil coisas com elas– Lá no mato cato o ano todo dezenas delas de todos os tamanhos. Matéria prima grátis!

Bom o garrafão abaixo é de vidro, daquele tipo “sangue de boah”, garimpei num restaurante de beira de estrada. Bati os olhos nele e logo comecei a imaginar como transformá-lo num lindo enfeite. Para que possa ser usado o ano inteiro, preferi usar materiais mais discretos. O arranjo preso no vidro sai facilmente, dá para continuar com ele, trocar por outro ou deixar sem nada. Com as lâmpadas dentro ficou com a cara do Natal e do Revellion!!

Cansei de olhar para a antiga árvore de Natal, aproveitei o espírito que a Bahia me imbuiu (passei recentemente 15 dias por lá) e bolei essa árvore inusitada.
O galho a amiga
Talma já postou, serviu de ponto de partida – Ela me disse de qual palmeira ele provem, mas agora não lembro. Havia em casa um suporte de ferro pintado de branco que bolei para servir de “cabideiro” – Com pisca-pisca colorido e fitinhas do Bonfim... Quer mais brasileiro do que isso. Pura invenção!!

Mais enfeitinhos...


Inspirem-se!


Visualizações

Arquivo

Categorias